Desculpem os transtornos, estamos em obras!

Foto reprodução - professorariane.blogspot.com

Caroline Santana
Caroline Santana é Jornalista especialista em Assessoria de Comunicação e Marketing e Colaboradora do site Na Pauta Online em Goiás

Quem já andou por Goiânia seja de carro, ônibus, moto ou a pé nas últimas três semanas já deve ter passado raiva ou identificado que ela está em obras, e os desvios estão em cada esquina. E já deve ter ouvido falar que ‘os transtornos passam e os benefícios ficam’. Assim esperamos, seja na cidade ou na própria vida.

Afinal, como vivemos correndo, nos preocupando com o externo, se visitar internamente não é pauta na agenda e nem consegue um horário no nosso coração. Mas o momento exige. Se ele não está demandando atenção ainda através do emocional, saúde ou para arrumar as gavetas pela complexidade das energias, sintonia com as luas, coisa e tal, tal e coisa, pode ter certeza que ele chegará. E digo ainda mais, quando ele chega forçado, assim como qualquer outra coisa da vida não é nada bom.

Então, para antecipar este momento de solitude é melhor se aceitar, entender que não é perfeito (a) e que só aprendemos com as experiências da vida. Para virar borboleta um processo existe; imagina a vida?! Tem buracos no coração, vida desorganizada, contas para pagar, pessoas a nos importunar, buzinas no trânsito e tantas outras coisas para nos preocupar. Estamos em obras com frequência porque somos humanos em construção. Vivemos e consequentemente aprendemos. Tudo isso para não nos perdermos.

Nascemos com uma essência e ela vai se lapidando na vida. Se cuidarmos dela como precisa, não nos perderemos de nós. Devemos nos colocar no centro da nossa atenção, com foco e um pouquinho de egoísmo sim. Porque para nascer rosas entre as pedras precisamos cultivar o que melhor existe no coração. Devemos fazer uma limpeza nos terrenos da alma para que o momento chegue com leveza e tranquilidade.

Estamos em obras. Todos os dias. Mas não é um sinal de falta de paciência consigo ou o outro. É sinônimo de cuidado, perseverança, trabalho com a autoestima e uma valorização que você necessita compreender. Podemos transformar a nós mesmos, e se temos luz própria, quem sabe incentivar o outro. Precisamos de estímulo todo o tempo. Mas quem sabe não podemos fazer isso conosco mesmo? Porém sem excesso de controle ou auto confiança exagerada. É tudo no equilíbrio que buscamos continuamente. Os transtornos do autoconhecimento passam, e os benefícios com atitudes de amor próprio e coerência, prevalecem.