‘O ALIENISTA’

Divulgação
Katia Saules
Katia Saules – Atriz, formada em Artes Cênicas, escritora, critica de artes e colaboradora do site Na Pauta Online – RJ, Esta coluna vai ao ar todas as quartas-feiras.

Uma bela adaptação do texto e obra machadiana acontece nos palcos Cariocas e deve ser ovacionada!

Um espetáculo que opta pela concepção contemporânea, mas que também escolhe não abrir mão de aspectos primordiais do conto de Machado de Assis, tais como a ironia, a crítica comportamental e um olhar voraz sobre a classe política, que acabam por gerar total identificação com nosso período atual.

Um acerto do ator Gustavo Ottoni é já entrar em cena com seu discurso (mais que) afiado. Uma fala segura, ágil e bastante pontual. Por vezes acelerado, o texto nos atravessa e talvez esta seja a intenção, já que Gustavo domina absurdamente o que diz. Numa relação ‘ator-plateia’, entretém e faz pensar, ao despertar em cada um a reflexão sobre nossa sociedade.

Concepção, adaptação e interpretação de Gustavo, com direção primorosa de Letícia Guimarães, que optou em trazer o ator com apenas uma cadeira e um jaleco branco para representar tantos personagens do famoso conto.

O espetáculo conta a história de um médico conceituado em Portugal e na Espanha, chamado de Simão Bacamarte, que decide seguir o ramo da psiquiatria, iniciando um estudo sobre a loucura e seus diversos graus.

Com o narrador onisciente em terceira pessoa, Machado de Assis consegue mostrar e explorar o comportamento humano além das aparências, expondo com grande ironia toda a vaidade e egoísmo do homem. Machado coloca em questão nesse conto as fronteiras entre o que é normal e o que é anormal através de um médico que se esforça em tentar entender os distúrbios psicológicos da população. Dessa forma, pode-se dizer que há uma proximidade entre o personagem do Dr. Simão Bacamarte com o próprio Machado de Assis, uma vez que o autor também está interessado em analisar as atitudes das pessoas e suas relações sociais.

Toda a história é contada com um fino humor e tudo dialoga muito bem, cenário, figurino e luz todos em perfeita sintonia com a mensagem que é passada. O que parecia ser difícil, Gustavo torna possível…

O conto de Machado de Assis foi publicado pela primeira vez em 1881, em ‘A Estação’, e em 1822, incorporado ao volume ‘Papéis Avulsos’. Muitos o consideram um conto, mas a maioria dos críticos e especialistas o consideram uma novela, por causa da sua estrutura narrativa, o que justamente dificultaria uma montagem, mas ela acontece e felizmente está em cartaz!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here