Então é natal… Ou melhor dizendo: Copa do Mundo 2018

Estevão Alves
Estevão Alves – Dj em Amsterdã e Colaborador do site Na Pauta Online.

Ninguém nem lembra do número 7, ninguém se lembra que Copa do Mundo não se faz com hospitais, e nem dos elefantes brancos que ficaram após 2014!

Nunca fui de gostar de futebol, não consigo compreender o sentido do esporte, mas sei que é uma grande paixão nacional, apesar de que este ano o povo está meio parado, meio sem esperanças, meio sem saber pra quem torcer! Claro que torceremos pelo Brasil, sil, sil, sil…

Mas o que vejo é a troca das torcidas de futebol por políticos presidenciáveis, brigam se ofendem e já começam a se matar. Vejo que todo mundo está muito politizado, na verdade estão apenas repetindo as escalações dos times, mas sem jogos, estão escalando seus jogadores baseados em promessas, ou discursos.

Mas um bom exemplo nós não temos, pois dar exemplo dá trabalho, e jogos de copa significam feriados regados a cerveja e churrascos, nas escolas não se falam em futebol, mas também não se fala em educação, vejo falar em salários, vejo greves anuais, vejo estudantes invadindo escolas para protestar contra tudo e todos, mas vejo que a solução é na política! Política que fala em economia e segurança, mas fala-se bem pouco em educação! Falam em planos para sairmos da crise, mas fala-se pouco em educação, e não falando em educação eu fico pensando em qual crise devemos sair da crise onde sobra dinheiro pra cerveja nos finais de semana ou na falta de educação que deixa garotos se tornar bandidos? Bandidos que os candidatos vão ter que tratar com mão de ferro, vamos voltar as palmatórias, mas vamos continuar a não falar em educação!

Que bom seria, se um jogador do jogo presidencial falar apenas na educação! Pois falam em empregos, mas não falam em qualificação profissional, falam em planos para segurança, mas não dão o mínimo para jovens correrem atrás de seus sonhos, pois até os sonhos ficaram de lado ao se falar apenas em economia!

Queria que o time escalado nesta copa fosse um time de professores e alunos, de mães, filho e seus pais, imagina um time cheio de respeito ao próximo, ou um que não tivesse preconceitos contra os diferentes!

Neste ano eu queria ver mais verdade e menos discursos, queria ver a pratica de esportes como fonte de energia e não de dinheiro, queria os contratos milionários virando merenda escolar!

Queria ver o povo junto gritando Brasil, Brasil… e que o Brasil inteiro ouvisse, e entendesse que o problema aqui não é uma partida perdida de 7 a 1, ou que vamos votar no menos pior!

Minha esperança é que o Brasil ganhe mais e mais títulos em ciências, matemática, português, historia principalmente e geografia! Que a tabela periódica não virasse uma mancha criminal, ou que o menino pobre não virasse um marginal, queria um professor feliz, e os alunos sentindo a vontade de ir além de suas realidades, que sonhassem! E realizassem seus sonhos!

O Brasil da copa do mundo é o mesmo Brasil do dia a dia, daquele que trabalha cedo, daquele que corre atrás, daquele que tem as mesmas chances para jogar um jogo limpo.

Mas o Brasil que eu vejo não sabe me responder uma coisa: Se o juiz rouba pro outro time ele é ladrão, mas o que você diz ao seu filho se o juiz roubar para o seu time?

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.