Os primeiros dias da história do Google

O Google foi criado em meados dos anos 90 pelos cientistas da computação americanos Larry Page e Sergey Brin. A parte pitoresca diz respeito à história pregressa da empresa, que em 2019 faturou mais de US$ 160 bilhões e é, segundo a Interbrand, a segunda marca mais valiosa do mundo atualmente, atrás apenas da Apple.

A história de Larry e Sergei começou em 1995, quando eles se conheceram no curso de PhD em Ciências da Computação da Universidade de Stanford, na Califórnia, nos Estados Unidos. Foi ali que eles desenvolveram um mecanismo de busca, que eles batizaram de BackRub. O sistema era capaz de analisar e gravar dados de backlinks — ou seja de links apontados de uma página para a outra.

O nome fazia alusão ao fato de que os algoritmos ranqueavam as páginas conforme o volume de backlinks apontados para elas. O BackRub serviu, inclusive, de base para o trabalho de conclusão de curso do trio, intitulado “A Anatomia de um Motor de Pesquisa na Web Hipertextual em Larga Escala”.

Você deve ter estranhado a menção ao trio. Sim, havia um terceiro elemento. Scott Hassan era o programador encarregado de criar os algoritmos do BackRub. Ele ficou com Larry e Sergei até 1996, mas não ficou para ver o Google acontecer. Seguiu seu próprio caminho como empreendedor na área de robótica. Fundaria em 2006 a Willow Garage nesse segmento — obviamente, sem alcançar o mesmo sucesso de seus dois colegas de curso.

A relação do trio era muito clara. Larry e Sergei explicavam o que queriam e Scott programava. Portanto, eles eram o cérebro do negócio enquanto Scott era o braço.

De qualquer forma, o projeto era revolucionário naquele momento porque apresentava ao mundo uma nova forma de ranquear páginas web. Até então, o critério vigente era a quantidade de palavras-chave que apareciam em uma página. A contagem de backlinks era uma grande novidade.

O algoritmo usado para fazer essa mágica acontecer foi chamado de PageRank — e ainda hoje essa nomenclatura é adotada pelo Google. Diz respeito à importância da página de onde saiu o link para um determinado site. Por exemplo, um link vindo do site da Casa Branca teria um peso muito maior do que o link vindo do blog de um colega da Universidade de Stanford.

Um fato curioso é que, para que os testes pudessem ser feitos, eram necessárias máquinas que funcionassem como servidores. Por isso, eles pegaram emprestados computadores de colegas e, ainda, compraram máquinas de baixo custo, desafiando o limite de seus próprios cartões de crédito.

Àquela altura,  projeto já começava a ganhar contornos não mais de um experimento acadêmico, mas de algo completamente viável no mercado. Algumas iniciativas naturais de empreendedores foram sendo levadas adiante.

Por exemplo, um nome mais comercial seria bem-vindo. BackRub não tinha um nome sexy o suficiente. Foi daí que surgiu a ideia do nome Google, uma adaptação de “googol”, que é o nome dado ao número formado por 1 seguido de 100 zeros — assim definido por Edward Kasner and James Newman no livro “Mathematics and the Imagination”, publicado originalmente em 1940 e revisado em 1967.

Outra preocupação foi colocar um site no ar. O domínio google.com foi registrado em 15 de setembro de 1997. A primeira versão foi ao ar com design extremamente simples porque os fundadores tinham experiência quase zero com HTML. Mal sabiam eles que o design simplificado acabaria virando uma marca do Google.

Quase um ano depois, em agosto de 1998, vieram os primeiros investimentos. Os investidores iniciais foram o cofundador da Sun Microsystems Andy Bechtolsheim, o fundador da Amazon Jeff Bezos, professor da própria universidade de Stanford David Cheriton e o empreendedor Ram Shriram.

Bem, o resto é história — e você provavelmente tem noção do crescimento exponencial do Google nos anos 2000. De lá para cá, os grandes lançamentos foram:

  • Google Maps (2005);
  • YouTube (2005 – inicialmente, não pertencia ao Google);
  • Google Earth (2005);
  • Google Calendar (2006);
  • Google Finance (2006);
  • Google Streetview (2007);
  • Google Android (2007);
  • Google Chrome (2008);
  • Google Voice (2009);
  • Google Labs (in 2012).

Fonte: Wikipedia, Statista, TheStreet, ThoughtCo.