Empresas europeias investiram 124 mil milhões de euros em baixo carbono

Quase 900 empresas europeias cotadas em bolsa reportaram um total de 124 mil milhões de euros em investimentos de capital de baixo carbono e em investigação em 2019, segundo um relatório divulgado esta segunda-feira pela CDP e Oliver Wyman.

De acordo com o relatório “Doubling Down: a oportunidade de investimentos de baixo carbono na Europa”, elaborado pela organização sem fins lucrativos Carbon Disclosure Project (CDP) e pela consultora Oliver Wyman, “882 empresas europeias cotadas em bolsa reportaram 59 mil milhões de euros em novos investimentos de capital de baixo carbono e 65 mil milhões em novos gastos em investigação e desenvolvimento no ano passado”.

Os investimentos atuais das empresas europeias devem proporcionar a poupança de pelo menos 2,4 gigatoneladas de emissões carbónicas, o que representa mais do que as emissões anuais combinadas do Reino Unido, Alemanha, França, Itália e Polónia. No entanto, o estudo revela que as empresas devem duplicar a participação de baixo carbono no investimento total (CAPEX) de 12% para 25%, para ser possível atingir a nova meta climática da União Europeia (UE) de neutralidade carbónica em 2050.

As empresas analisadas têm emissões anuais equivalentes a três quartos do total da UE e “representam aproximadamente 76% da capitalização de mercado europeu”, esclarece o estudo.

As maiores áreas de novos investimentos são a investigação e desenvolvimento de tecnologias para veículos elétricos (43 mil milhões de euros), os investimentos de capital em energia renovável (16 mil milhões), as infraestruturas de rede de energia (15 mil milhões) e os programas de resposta para uso inteligente de energia (oito mil milhões).

As empresas europeias também identificam 1,22 biliões de euros em novas oportunidades de negócios de baixo carbono, como por exemplo o aumento da procura de veículos elétricos e de infraestruturas verdes.

O relatório identificou ainda os setores chave onde está concentrado o atual investimento de baixo carbono, com mais de nove em cada 10 euros gastos por empresas de transporte, energia e materiais, respondendo por mais de 80% das emissões diretas do grupo de análise.

Fonte: Lusa