Filhos: quer um manual?

A psicóloga Cristine Lima sugere maneiras de lidar com a educação dos filhos, pois eles não trazem um manual de instruções quando nascem…

*Por Cristine Lima

Sinto informar, mas não existe! Claro que você, pai, mãe, avó, já sabiam disso!

Criar filhos é um desafio diário, eterno e depois de toda jornada, quando adultos, muitos se tornam uma caixinha de surpresa: às vezes com bons resultados, mas noutras fogem ao que se esperava.

Os pais, como era de se esperar, se questionam e carregam uma culpa que nem sempre lhe pertencem.

Cristine Lima é psicóloga clínica (Divulgação)

O que os pais precisam entender é que quando seu tão esperado filho nasce não se deve criar muitas expectativas quanto ao seu futuro, porque assim que ele estiver trilhando seu caminho sozinho, vai fazer o que achar melhor para si.

Se dará certo ou errado não depende somente de você.

Logicamente que os valores passados, as regras, os limites, o respeito, o meio ambiente em que está inserido, aqueles que estão em torno dele, tudo tem sua influência e se faz necessário. Entretanto, existe um componente interno, que é dele, e essa somatória é que vai resultar num determinado indivíduo.

O filho muda e pode ficar melhor, pior, diferente…

 Você me pergunta: mas esse interno pode modificar? Sim, pode melhorar muito ou até se modificar, dependendo da intensidade desse componente interno e as ferramentas utilizadas para ajudar na mudança.

Passe a ter um olhar diferenciado no seu filho desde pequeno, já quando ele começar a andar.

Faça uma avaliação, observe as atitudes dele, principalmente as negativas.

Quando eu, como profissional, começo a atender uma criança, ressalto na minha ótica  todas as problemáticas que os pais trazem e projeto anos à frente, pois são estas que podem superar as positivas e intensificando o comportamento indesejado.

Sabemos também que os genitores procuram fazer o seu melhor, claro,  ninguém quer o mal do próprio filho. Mas, infelizmente, tenho que ser  transparente e afirmo com toda confiança que os pais têm uma grande responsabilidade nos resultados desse comportamento e de forma “quase inocente”.

“Quase inocente?” Sim, porque em nome do amor, muitas situações vão sendo justificada, vou citar alguns exemplos:

– Percebe o comportamento mas acredita que vai passar;

– Tenta melhorar o comportamento do filho, mas desiste no meio do caminho;

– Não enxerga claramente porque tem um olhar mais emocional do que racional;

– Não tem autoridade suficiente para se fazer entender e obedecer ;

– Não busca ferramentas para conduzir melhor suas atitudes;

– Se desgasta utilizando as mesmas ferramentas que não têm mais resultados;

– Demora muito para tomar uma atitude e ele cresce rápido;

– Ouve a professora, um parente, uma amigo criticar seu filho e enraivece.

Avalie sua forma de educar constantemente

 Lembre-se: criamos os filhos para o mundo!

Ouço isso em todos os atendimentos, pois na teoria todos sabem que deveria ser assim, contudo, na prática, não acontece desta forma.

Como está o comportamento do seu filho? Você está utilizando ferramentas que lhe trazem os resultados desejados?

Se perceber algo errado, seja mais imediatista, procure resolver logo, porque quanto maior ele fica, mais o problema se enraíza, dificultando a mudança de comportamento.

Quem é Cristine Lima?

 *Cristine Lima é psicóloga clínica (CRP 06/43571-9) há mais de 27 anos, além de diretora da Clínica Eubiose Integração em Saúde.

É pós-graduada em psicologia hospitalar, psicomotricista, orientadora vocacional, entre outros, além de palestrante e coautora do livro Mulheres Invisíveis, sobre violência contra a mulher, com previsão de lançamento para o primeiro semestre de 2020.

Saiba mais em @cristine.psicologia e @clinica.eubiose.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here