Coronavírus: a evolução da pandemia

Tudo começou em Wuhan

A China notificou a Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre uma misteriosa pneumonia em Wuhan, de cerca de 11 milhões de habitantes. Especialistas de todo o mundo começaram a tentar identificar o agente causador. Supõe-se que ele tenha se originado num mercado de frutos do mar na cidade, que logo foi fechado. Inicialmente foi comunicado que havia cerca de 40 pessoas infectadas. (31/12/2019)

Nova cepa de coronavírus

Pesquisadores descartaram ser o vírus Sars, da doença respiratória originada na China em 2002 que matou quase 800 pessoas. Cientistas chineses identificaram um novo vírus, da cepa do coronavírus, causadores de Sars e do resfriado comum. Batizado provisoriamente 2019-nCoV e depois denominado Sars-Cov-2, ele causa febre, tosse, dificuldade respiratória e pode evoluir para pneumonia. (07/01)

Primeira morte na China

A China anunciou a primeira morte causada pelo novo coronavírus. Um homem de 61 anos, que havia feito compras no mercado de frutos do mar de Wuhan, morreu de complicações por causa de uma pneumonia. (11/01)

Vírus atinge países vizinhos

Nos dias seguintes, países como Tailândia e Japão começaram a relatar casos de infecções em pessoas que haviam visitado o mesmo mercado de Wuhan. Na cidade chinesa, é confirmada a segunda morte. Até 20 de janeiro, três pessoas morreram na China e mais de 200 estavam infectadas. (20/01)

Transmissão entre humanos

Pesquisadores se concentraram em descobrir como o agente é transmitido. Os coronavírus são zoonóticos, ou seja, podem ser passados de animais para pessoas. Alguns coronavírus podem ser transmitidos por tosse e espirros. Aeroportos em todo mundo passaram a controlar passageiros vindos da China. Em 20 de janeiro, foi confirmado que o vírus pode ser transmitido diretamente entre pessoas. (20/01)

Milhões sob quarentena

Wuhan foi colocada sob quarentena, na tentativa de limitar a propagação do vírus. O transporte coletivo foi suspenso, e trabalhadores começaram a construir um novo hospital para tratar pacientes infectados, que totalizavam mais de 830 em 24 de janeiro. O número de mortos subira para 26. O isolamento foi estendido para 13 outras cidades, afetando pelo menos 36 milhões de pessoas. (23/01)

Emergência global?

Cada vez mais casos são confirmados fora da China, incluindo Coreia do Sul, Estados Unidos, Nepal, Tailândia, Hong Kong, Cingapura, Malásia e Taiwan. Enquanto aumentava o número de infecções, a Organização Mundial da Saúde determinou ser “muito cedo” para declarar uma emergência global de saúde pública. (23/01)

O coronavírus chega à Europa

As autoridades da França confirmaram três casos do novo coronavírus dentro de suas fronteiras, marcando a chegada da doença na Europa. Horas depois, a Austrália confirmaria que quatro pessoas foram infectadas. (24/01)

Cancelamento das festas

As festividades do Ano Novo Lunar na China começaram. Para conter o surto, as autoridades cancelaram muitos eventos, já que milhões de chineses viajam e participam das celebrações públicas. O número de mortos subiu para 41, com mais de 1.300 infectados em todo o mundo – especialmente na China. Os cientistas esperam ter as primeiras vacinas contra o coronavírus em três meses. (25/01)

Primeiro caso na Alemanha

A Alemanha afirmou que pensava em retirar cidadãos alemães de Wuhan. Neste dia, o primeiro caso foi detectado no país europeu. Pesquisadores alemães em Marburg fazem parte de esforços internacionais para trabalhar em uma possível vacina contra o coronavírus. Em 28 de janeiro, o número de mortos ultrapassou 100 em todo o mundo, e o de infectados chegou a quase 4,5 mil. (27/01)

Férias prolongadas na China

No fim de janeiro, 17 cidades chinesas – mais de 50 milhões de pessoas –, estavam isoladas. Os feriados do Ano Novo Lunar foram prolongados por três dias para limitar o fluxo de pessoas. O Camboja confirmou seu primeiro caso, a Mongólia fechou a fronteira com a China para carros, e a Rússia suspendeu as operações de turismo na China. O coronavírus trará um impacto bilionário à economia global.

Primeira morte fora da China

Autoridades das Filipinas informaram que um homem de 44 anos morreu no país vítima do coronavírus, marcando assim a primeira morte relacionada à doença fora da China. O paciente era da cidade chinesa de Wuhan e havia sido internado num hospital em Manila em 25 de janeiro. Posteriormente, Japão, França, Hong Kong e Taiwan também confirmaram mortes. (02/02)

Morre médico chinês que tentou avisar autoridades sobre covid-19

O médico chinês Li Wenliang morreu após contrair o Sars-Cov-2. Em janeiro, ele havia tentado avisar as autoridades de seu país a respeito da epidemia e da chance de a covid-19 sair do controle, mas acabou sendo reprimido. Li foi obrigado a assinar um documento no qual declarava que seus avisos não tinham fundamento. (07/02)

Número de mortes supera a do Sars

A China informou que o número de mortos por Covid-19 havia chegado a 811, ultrapassando as 774 vítimas do surto de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), também causada por um coronavírus, entre 2002 e 2003. (09/02)

Repatriações ao Brasil

Chegaram ao Brasil 34 brasileiros e familiares repatriados da China em decorrência do coronavírus. Dois aviões da Força Aérea Brasileira pousaram na base aérea de Anápolis, em Goiás, onde os passageiros cumpriram quarentena. Uma equipe de apoio com 24 membros, incluindo médicos, diplomatas, jornalistas e tripulação, também estava a bordo. (09/02)

Primeiro caso na África

O coronavírus chegou à África em meados de fevereiro. No dia 14, o Ministério da Saúde do Egito anunciou a primeira ocorrência de um paciente infectado por Sars-Cov-2 no país e também no continente africano. Dias mais tarde, em 25 de fevereiro, a Argélia confirmou seu primeiro caso, um italiano que chegou ao país no dia 17, sendo assim a segunda ocorrência na África. (14/02)

Casos passam de 70 mil na China

Os casos de infecção pela doença Covid-19, causada pelo vírus Sars-Cov-2, superaram a marca dos 70 mil na China continental. O número de mortos pela doença chegou a 1.770. Fora da China continental, os casos passam de 500, e o número de mortes confirmadas chega a cinco. (17/02)

Desembarque do Diamond Princess

As cerca de 3,7 mil pessoas a bordo do navio de cruzeiro Diamond Princess começaram a desembarcar em Yokohama, no Japão, após mais de duas semanas em isolamento devido ao surto de coronavírus. À época, a embarcação concentrava o maior número de infecções fora da China, com mais de 600 casos. (19/02)

Carnaval de Veneza acaba mais cedo

Onze cidades foram isoladas devido à disseminação rápida do vírus no norte italiano. Comércio e repartições públicas foram fechadas nas regiões de Lombardia e Vêneto. Itália se torna o primeiro país fora da Ásia a isolar populações inteiras, e é também a nação europeia com mais casos de Covid-19. Diante disso, o tradicional Carnaval de Veneza foi encerrado antes do previsto. (23/02)

Corrida por mantimentos na Itália

Autoridades da Itália afirmaram que os casos de coronavírus no país cresceram 45% em um dia, contabilizando 12 mortos e 322 infectados, cem a mais que no dia anterior. Italianos correm aos mercados, e produtos começam a faltar nas prateleiras. Áustria, Croácia e Suíça confirmam seus primeiros casos de Covid-19. (25/02)

Vírus chega ao Brasil

Até 26 de fevereiro, o novo coronavírus havia se espalhado para mais de 40 países e territórios, matado mais de 2.700 pessoas e infectado mais de 80 mil, das quais cerca de 30 mil se recuperaram. Na mesma data, o governo brasileiro confirmou o primeiro caso no país: um homem de 61 anos que viajou à Itália a trabalho. (26/02)

“Risco muito baixo nos EUA”

O presidente dos EUA, Donald Trump, minimizou a ameaça do coronavírus, na tentativa de acalmar o mercado financeiro. O governante disse que o risco de uma epidemia em seu país era “muito baixo” e que os EUA estão “muito prontos” para lidar com a ameaça. Ele também afirmou que o número de casos diagnosticados em solo americano poderá cair para zero nos dias seguintes. (26/02)

Nível máximo de alerta

A Organização Mundial da Saúde (OMS) elevou o alerta de risco do coronavírus de “alto” para “muito alto”, diante do aumento de infecções e de países afetados. Até essa data, a doença já atingia mais de 50 nações. Casos suspeitos no Brasil subiram de 132 para 182. A Alemanha cancelou a tradicional feira ITB, importante encontro do setor de turismo internacional. (28/02)

Surto diminui poluição na China

Imagens de satélite publicadas pela Nasa mostraram declínio nos níveis de dióxido de nitrogênio na China. A agência espacial americana informou que isso se deve “pelo menos em parte” à desaceleração econômica causada pelo surto de coronavírus. Dados divulgados no mesmo dia registravam 3 mil mortos e mais de 88 mil infectados em mais de 60 países. (01/03)

Repercussão na economia global

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) reduziu a previsão de avanço da economia em 2020 para 2,4%, nível mais baixo desde 2009, mas disse que o índice pode ser de apenas 1,5% se o surto não for controlado. A Organização Mundial do Comércio (OMC) anunciou que espera impacto “substancial” na economia mundial, em meio a quedas severas nas bolsas ocidentais. (02/03)

Sem aperto de mão

O receio de infecção pelo coronavírus causou uma situação inusitada em Berlim. Pouco antes de um encontro de trabalho, Horst Seehofer, ministro alemão do Interior, recusou um aperto de mão da chanceler federal alemã, Angela Merkel. A chefe de governo levou na esportiva e aprovou o comportamento do ministro. “Está mesmo certo”, disse, ao sentar-se à mesa de reunião. (04/03)

Salas de aula vazias

O governo da Itália ordenou o fechamento das escolas e universidades em todo o seu território, como medida de prevenção diante do avanço do coronavírus Sars-Cov-2. O surto da doença covid-19 no país era o mais letal fora da China naquela data, quando a Itália registrava 107 mortes pela doença. (04/03)

Mais de 100 mil infectados

O número de casos de infecção pelo coronavírus Sars-Cov-2 em todo o mundo ultrapassou a marca dos 100 mil, enquanto o total de mortes superava 3,4 mil. A doença covid-19 era registrada em mais de 90 países. No Brasil, os contágios confirmados aumentaram de 8 para 13 em um período de 24 horas. Na Itália, eram contadas quase 200 mortes. (06/03)

Hotel em quarentena desaba na China

Um hotel com cerca de 70 pessoas em quarentena devido ao coronavírus desabou em Quanzhou, no sudeste da China, matando 29 pessoas. O número de contágios confirmados chegou a 14 no Brasil, com 768 casos suspeitos. Na noite anterior, o presidente Jair Bolsonaro garantiu, em pronunciamento em rede nacional, que, ainda que a crise da doença possa se agravar, “não há motivo para pânico”. (07/03)

Itália impõe quarentena em todo o território

O governo em Roma determinou restrições ao deslocamento de todos os seus 60 milhões de cidadãos e proibiu aglomerações públicas para tentar conter o coronavírus. Habitantes só podem deixar a área em que vivem com justificativa. No mesmo dia, a Alemanha registrou 1.112 infecções e as duas primeiras mortes por covid-19 no país. (09/03)

OMS declara pandemia

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considerou que a disseminação de covid-19 pode ser caracterizada como pandemia, observando que o número de casos fora da China se multiplicou por 13 e o de países afetados triplicou em apenas duas semanas. “Pandemia” designa a difusão de uma enfermidade por vários países ou continentes. (11/03)

Trump suspende viagens de europeus aos EUA

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou a suspensão, por pelo menos 30 dias, de todas as viagens de cidadãos não americanos vindos de 26 nações da Europa para o país, para evitar a propagação do coronavírus. Os EUA registravam à época mais de 1,2 mil casos de coronavírus e 36 mortes. Em 13 de março, Trump declarou emergência nacional diante do avanço da doença. (11/03)

Estado de emergência na Espanha

A Espanha declarou estado de emergência para conter a propagação do coronavírus Sars-Cov-2, quando o país já contava quase 6 mil casos de infecção, com cerca de 180 mortos. O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, anunciou que o país decidiu limitar a livre circulação da população, colocando assim cerca de 47 milhões de pessoas sob quarentena parcial. (14/03)

Alemanha fecha fronteiras

Como parte dos esforços para conter a proliferação do novo coronavírus, a Alemanha fechou as fronteiras com a França, Áustria, Suíça e Dinamarca. (16/03)

Precaução na América do Sul

A Argentina anunciou o fechamento de suas fronteiras por pelo menos 15 dias. Bolívia, Colômbia e Uruguai proíbiram a entrada de pessoas vindas da Europa e de outras zonas de risco. Venezuela declarou “quarentena social coletiva”. (16/03)

Infecções no mundo superam casos na China

O número de casos de coronavírus fora da China superou o de infectados registrados no país asiático. Segundo dados da universidade americana Johns Hopkins, a China continental contabilizava 81.020 pessoas infectadas naquela data, enquanto o restante do mundo rompeu a marca de 88.367 casos. Em 19 de março, o número de mortos pelo coronavírus na Itália superou o de mortos na China. (16/03)

China zera transmissão local

Pela primeira vez desde o início da pandemia, a China anunciou que nas últimas 24 horas não havia registrado nenhum novo caso de Covid-19 transmitido localmente. No entanto, havia 34 casos importados de outros países. Três dias depois, o país voltaria a registrar um caso de transmissão local. (19/03)

Recorde diário de mortes na Itália

A Itália registrou 793 óbitos em 24 horas, maior número de mortes diárias no país europeu desde a detecção do primeiro caso de coronavírus. No dia seguinte, o governo italiano interrompeu temporariamente todas as atividades produtivas no país, exceto as essenciais. (21/03)

Merkel em quarentena

Depois de anunciar que estavam proibidas e sujeitas a multa reuniões de mais de duas pessoas em todo o país, a chanceler federal alemã foi informada que havia entrado em contato dois dias antes com um médico infectado. Angela Merkel entrou em quarentena domiciliar, de onde seguiu cumprindo suas tarefas. Seu primeiro teste para coronavírus deu negativo em 23 de março. (22/03)

Isolamento total no Reino Unido

O premiê britânico, Boris Johnson, voltou atrás e, após dados que previam a evolução da doença sem medidas mais restritivas, apresentados pelo Imperial College de Londres, determinou isolamento horizontal no país. Até então, Johnson defendia a chamada “imunização de rebanho”, ou seja, permitir que a população entrasse em contato com o vírus para que desenvolvesse imunidade. (23/03)

Jogos Olímpicos de Tóquio são adiados

Após semanas de pressão, os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio foram adiados para 2021 em decorrência da pandemia de covid-19. Seis dias depois, o Comitê Olímpico Internacional (COI) e os organizadores anunciaram a nova data do evento: de 23 de julho a 8 de agosto de 2021. Os Jogos Paralímpicos foram remarcados para 24 de agosto a 5 de setembro. (24/03)

Índia impõe confinamento obrigatório em todo o território

Segundo país mais populoso do mundo, com 1,3 bilhão de habitantes, a Índia anunciou a imposição de confinamento obrigatório total por 21 dias em todo o território para evitar a disseminação da covid-19. No mesmo dia, o Egito anunciou toque de recolher entre 19h e 6h em todo o país por duas semanas. (24/03)

São Paulo e Rio em quarentena

O estado de São Paulo e a cidade do Rio de Janeiro começaram quarentena obrigatória por determinação das gestões locais, com fechamento do comércio não essencial e restrição à circulação de pessoas – além do fechamento de escolas, que já havia sido determinado anteriormente. Em São Paulo, a medida afeta 54 milhões de habitantes em 645 municípios. (24/03)

Hospital constrói necrotério improvisado em Nova York

Trabalhadores vestidos com roupas de camuflagem montaram um necrotério improvisado do lado de fora do Hospital Bellevue em Nova York, a cidade mais afetada pelo coronavírus nos EUA. Várias tendas brancas foram erguidas para lidar com um possível aumento exponencial no número de mortes decorrentes de infecções pelo Sars-Cov-2. (25/03)

EUA se tornam país com maior número de casos

Dados da Universidade Johns Hopkins apontam que os EUA assumiram a primeira posição entre os países com mais casos da covid-19, ultrapassando a China e a Itália no mesmo dia. Segundo o levantamento, o país contabilizava 82.404 casos (26/03).

Pacote bilionário é aprovado na Alemanha

O Bundesrat (conselho que reúne os estados alemães) aprovou em o pacote elaborado pelo governo alemão para combater a crise do novo coronavírus e já aprovado pelo Bundestag (Parlamento). O pacote inclui um fundo de resgate de 600 bilhões de euros para grandes empresas e um orçamento suplementar emergencial de 156 bilhões de euros em novas dívidas e é o maior do período pós-Guerra. (27/03)

Boris Johnson é diagnosticado com coronavírus

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou que testou positivo para o coronavírus. Ele afirmou que ficaria em isolamento, mas seguiria coordenando os trabalhos do governo de casa. Em 5 de abril, Johnson foi internado em um hospital em decorrência da doença e, no dia seguinte, transferido para a UTI pelo agravamento do quadro de saúde. (27/03)

Papa conduz oração em Praça de São Pedro vazia

O papa Francisco realizou uma histórica benção ‘Urbi et Orbi’, com a Praça de São Pedro completamente vazia para evitar a propagação do coronavírus. O líder da Igreja Católica falou para fiéis, que puderam assistir ao vivo através do site do Vaticano e outros meios. O Vaticano levou para o local o crucifixo milagroso, que, segundo a tradição, salvou Roma da peste negra em 1522. (27/03)

EUA lançam programa de US$ 2 trilhões

O presidente americano, Donald Trump, lançou um programa, aprovado com amplo apoio dos congressistas, de 2 trilhões de dólares para ajudar a amortecer os impactos da covid-19 em cidadãos e empresas. O plano, que equivale a cerca de 10 trilhões de reais, é o maior da história mundial, e é superior ao PIB brasileiro. (27/04)

Espanha passa China em número de casos

A Espanha passou a China em número de casos de coronavírus. Na data, o país europeu tinha 6.398 novos casos, elevando o total para 85.195. A China contabilizava cerca de 82 mil. O país europeu também já registrava mais do que o dobro de mortes do que as contabilizadas na China: 7.340. (30/04)

Casos de coronavírus passam de 1 milhão no mundo

O número de infecções confirmadas pelo Sars-Cov-2 ultrapassou 1 milhão no mundo. A cifra de mortos, por sua vez, ultrapassou 50 mil. O país com o maior número de casos eram os EUA, com mais de 240 mil, seguidos da Itália, com 115 mil, e da Espanha, com 112 mil. Contudo, acredita-se que o número real de infecções seja ainda maior, já que muitos países não testam o suficiente. (02/04)

Mais da metade da população mundial confinada

Em 2 de abril, mais de 3,9 bilhões de pessoas – mais da metade da humanidade – estavam confinadas em suas casas devido à pandemia de coronavírus, segundo contagem mantida pela agência de notícias francesa AFP. Medidas de prevenção ao vírus, que incluem confinamentos obrigatórios ou recomendados, toques de recolher e quarentenas, já foram implementadas em mais de 90 países e territórios. (02/04)

Rainha compara momento atual à Segunda Guerra

Em discurso na TV, a rainha Elizabeth 2ª disse que o atual período a lembrou de uma transmissão de rádio que fez aos 14 anos, durante a Segunda Guerra Mundial. “Hoje, mais uma vez, muitos sentirão uma sensação dolorosa de separação de seus entes queridos”, disse a rainha. ”Desta vez, nos unimos a todas as nações do mundo em um esforço comum.” (05/04)

Tigre  contrai coronavírus em Nova York

Uma tigresa-malaia que vive no Zoológico do Bronx, em Nova York, tornou-se o primeiro caso conhecido no mundo de um tigre a contrair o coronavírus. A suspeita é que um funcionário do zoo – infectado, mas assintomático – tenha transmitido o patógeno para o animal. Anteriormente, um gato doméstico na Bélgica e dois cachorros em Hong Kong haviam testado positivo para o coronavírus (06/04)

China não registra mortos por covid-19 pela primeira vez desde janeiro

Pela primeira vez desde janeiro, quando começou a divulgar números sobre o novo coronavírus, a China não registrou mortes por covid-19. As autoridades chinesas relataram que nas últimas 24 horas haviam sido registados apenas 32 novos casos na China continental, que exclui Macau e Hong Kong, todos provenientes do exterior, os chamados casos importados. (07/04)

Número em Nova York supera o do 11 de Setembro

Em 7 de abril, o número de mortes por covid-19 na cidade americana de Nova York (3.485) superou o de óbitos no atentado ao Word Trade Center, em 11 de setembro de 2001. No ataque terrorista, foram 2.753 mortes na cidade.

Turquia decreta toque de recolher

O governo da Turquia decretou toque de recolher de 48 horas em 31 cidades, entre elas a maior metrópole do país, Istambul, e a capital Ancara. Na data, o país registrava 47 mil casos de covid-19 e 1.006 mortes. A medida, anunciada poucas horas antes de entrar em vigor, causou correria, tumulto e aglomerações de pessoas nos mercados. (10/04)

EUA passam Itália e são país com mais mortes no mundo

Os Estados Unidos ultrapassaram a Itália em número de mortos por coronavírus, tornando-se o país com mais vítimas no mundo. Na data, o país somava 19.602 óbitos, enquanto a Itália tinha 19.468. Os EUA já eram o país com maior número de casos confirmados, ultrapassando 507 mil infecções. (11/04)

Cristo homenageia profissionais da saúde

Para homenagear os profissionais da saúde, o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, ganhou iluminação especial na noite do domingo de Páscoa . Foram projetadas na estátua bandeiras de países afetados pela pandemia, como China, Estados Unidos, Espanha, Itália e Brasil e mensagens e desenhos otimistas de crianças. Por fim, foi projetada uma imagem que “vestia” o Cristo com um jaleco. (12/04)

Medicamento mostra resultado nos EUA

Um grupo de pacientes infectado com o coronavírus e tratado com Remdesivir mostrou rápida queda na febre e melhora nos sintomas de pneumonia, informou o site americano de medicina Stat. Segundo o site, a maioria dos pacientes que tomaram parte no estudo, em Chicago, teve alta em poucas semanas. Apenas dois morreram. O estudo foi feito com 125 pacientes, dos quais 113 gravemente doentes. (16/04)

Mortes em Wuhan aumentam em ao menos 50%

O total de mortes no epicentro original da covid-19 é no mínimo 50% maior que números divulgados anteriormente, segundo informou a mídia estatal chinesa. Um erro na contagem anterior ocorreu em razão da sobrecarga no sistema de saúde da cidade. O número de mortos aumentou em 1.290, chegando a 3.869. A atualização dos dados fez com que total de mortos na China aumentasse para 4.632. (17/04)

Orações em casa no Ramadã

Orações do mês sagrado de jejum dos muçulmanos deverão ser feitas nas próprias casas dos fiéis devido à covid-19, anunciou grande mufti da Arábia Saudita, Abdul Aziz bin Abdullah Al-Sheikh. A Arábia Saudita suspendeu orações em todos os locais, inclusive nas mesquitas sagradas da Meca e Medina. Ambas seguem fechadas para peregrinação, assim como outros locais sagrados do islamismo. (17/04)

 

Fonte: DW