Mulher, quando a rosa perde as pétalas e o perfume…

Foto da Thought Catalogo do Burst

Um assunto muito discutido, muito falado e mais ainda vivido e presente em nossos lares, se tornou realidade em nossa sociedade, para muitos se tornou “normal”, estamos falando sobre a violência contra a mulher, sim a violência contra a mulher.

Com o aumento exorbitante de casos, houve a criação de uma lei específica para tratar deste caso, a tão conhecida Lei Maria da Penha, que começou timidamente e hoje atinge proporções jamais pensadas anteriormente, mas mesmo assim o índice tem aumentado, o que leva estes homens a cometerem tamanhas atrocidades com “rosas tão frágeis, perfumadas, delicadas e ao mesmo tempo tão fortes a intempéries”.

Acredita-se que o meio onde estes homens foram criados interfere muito em como ele se porta no mundo lá fora, ele passa a exigir posturas e comportamentos que a companheira não possui, para que seus caprichos sejam atendidos (muitas vezes satisfeitos pelas mães com visão machista, os criam como se fossem aleijados, disfuncionais).

É nítido e muito visível a infantilidade e o comportamento imaturo nestes homens que são criados para terem objetos em suas vidas e não uma companheira onde haja respeito mútuo, carinho, amor e reciprocidade, simplesmente querem uma segunda mãe ignorando completamente a condição de ser humano que a companheira tem.

Geralmente essas vítimas são agredidas de todas as formas possíveis fisicamente, psicologicamente e emocionalmente, são anuladas, amputadas e adoecidas e o medo, a doença que adquirem não as possibilita sair daquele ciclo doentio, que jamais tem fim ou solução, algumas conseguem sair mas pagam muito caro por ter saído, pois os mesmos continuam atormentando suas vidas, outras conseguem sair dentro de caixões para que tenham a devida paz que tanto merecem depois de uma vida com momentos deploráveis.

Interessante é vermos as mães destes homens os apoiarem em tais comportamentos, incentivando que o filho atormente, agrida a companheira, como conseguem ter tanta falta de empatia, de amor ao próximo ou simplesmente se imaginar no lugar daquela mulher, o homem sempre é apoiado, pasmem, as famílias apoiam seus comportamentos agressivos…

Em momento de pandemia mundial várias mulheres estão sofrendo horrores nas mãos destes “monstros” que se definem como seres humanos, que  na frente da sociedade se portam como normais, mas em casa são o pesadelo de qualquer mulher, até mesmo em famílias que se dizem dentro da normalidade o que mais temos ouvido são comentários de que um não tem aguentado a conviver com o outro devido a proximidade que o isolamento social nos colocou. Será que não é o momento de refletirmos sobre nossos hábitos entre família, sociedade e principalmente a educação das crianças do sexo masculino?  Toda mulher tem o sonho de ter um companheiro, formar uma família, crescer ter uma vida dentro da normalidade e do nada investem em um relacionamento onde abrem mão de várias coisas para que dê certo e ao mesmo tempo percebe-se que o companheiro continua na mesma sem fazer esforço nenhum para que os sonhos sejam realizados, para que a família seja saudável e funcional.

Jogam toda responsabilidade do fracasso em cima das mulheres que dão suas vidas para lutar pelo relacionamento disfuncional, até o momento em que não aguentam mais e na maioria das vezes se veem na necessidade de optar pela vida ou morte e saem do pesado vivido – uma vã ilusão, sem nenhuma estrutura, ai começa o massacre para com esse zumbi humano que restou desse pesadelo todo, vem preconceito da sociedade para com a mulher e com os filhos, que passa a ser chamada de pecadora, os assédios sexuais que vem de todos os lados, até mesmo de familiares, e os tormentos do ex que não acabam pois ele não desiste de atormentar, essa mesma  pessoa que está lutando pela vida, pela paz, ainda tem problemas  financeiros, pois não aparece ninguém para oferecer ajuda, tem a falta de apoio da família que as dilacera interiormente e no meio disso tudo está lá ela adoecida, anulada, agredida, amputada  tentando sobreviver em meio ao caos…

As vezes pensam será que se tivessem morrido não seria menos doloroso? Pois é esta a realidade enfrentada pela sua amiga, prima, vizinha, filha, vamos abrir nossos olhos, nossos corações para carregarmos estas guerreiras no colo, se puder ajudar com dinheiro, moradia, que seja simplesmente não julgando, não encostando conversar, elas sim são as verdadeiras mulheres, mães que por mais que tenham passado por isso tudo ainda estão firmes e fortes enfrentando a vida.

Não venham nos cobrar comportamentos que ainda não temos como coloca-los em prática, é fácil resolver os problemas dos outros e você passando por isso tudo como seria? Jamais faça comentários como esquece o passado, segue sua vida, não sei por que você ainda sofre, esquece seu ex ou até mesmo levanta a cabeça, você escolheu o cara errado porque quis, depois de sair do inferno e enfrentar todas essas tribulações a pessoa precisa se curar, se reerguer, reaprender quem ela é, quem ela quer ser e o principal a se amar.

Respeitem essas mulheres de verdade que ao contrário de muitos não agride ninguém somente lutam para terem uma vida normal e serem felizes acima de tudo e de todos…

Deixem essas rosas reflorescerem, deixem elas exalarem seus perfumes, suas belezas, e principalmente deixem as rosas serem rosas!!!!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here