Caso Maddie McCann: Quem é Christian Bruckner?

Esta semana conheceu um novo suspeito no caso de Madeleine McCann, a menina britânica que, em 2007, desapareceu poucos dias antes de fazer 4 anos do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve. Christian Bruckner, assim se chama, esteve a viver em Portugal na altura em que tudo aconteceu.

Atualmente com 43 anos, Bruckner terá vivido no Algarve durante períodos entre 1996 e 2007, e registos telefónicos colocam-no na área da Praia da Luz no dia em a criança inglesa desapareceu.

Detido na Alemanha por abuso sexual de menores, entre outros crimes, o Expresso deste sábado avança ainda que Bruckner esteve preso duas vezes: a primeira em 1999 e, da segunda vez, foi libertado pouco antes do desaparecimento de Maddie, após cumprir nove meses de cadeia por furtos.

O suspeito é caucasiano e descrito como sendo, na altura magro, com 1,8 metros de altura e com cabelo louro curto. Entretanto, já foi revelada uma fotografia deste.

Segundo os procuradores da cidade de Stendal, cerca de 100 quilómetros a oeste de Berlim, na Alemanha, o homem poderá estar também associado ao desaparecimento, em 2015, de uma menina de cinco anos. O suspeito alemão tinha uma propriedade a 100 quilómetros a sudoeste de Stendal, na cidade de Neuwegersleben, quando a menina desapareceu.

No apelo público divulgado na passada quarta-feira, relacionado com o desaparecimento da menina britânica no Algarve, a polícia do Reino Unido identifica dois veículos que terão sido usados pelo suspeito, nomeadamente, uma carrinha caravana Volkswagen T3 Westfalia do início dos anos 1980, branca com uma risca amarela na parte de baixo e com matrícula portuguesa.

Foram ainda divulgadas fotografias de uma casa onde Christian Bruckner terá habitado. Nos dias que se seguiram ao desaparecimento de Maddie, Kate e Gerry, os pais terão passado diariamente perto daquela moradia, escreveu o Mirror esta sexta-feira.

A polícia britânica identificou também dois números de telemóvel, um dos quais usado pelo suspeito no dia do desaparecimento para receber uma chamada entre as 19h32 e as 20h02 na zona da Praia da Luz. Um segundo número foi identificado como tendo iniciado a chamada e, embora a pessoa não estivesse na Praia da Luz, os investigadores acreditam que possa ser uma testemunha importante.

As autoridades consideram este telefonema relevante porque aconteceu cerca de uma hora antes de quando se estima ter ocorrido o desaparecimento e estão a pedir às pessoas para se os reconhecem ou se os têm registados nos seus contactos.

De acordo com a imprensa britânica, o suspeito terá contado um amigo, numa ida a um bar, que sabia tudo o que aconteceu à criança. A confissão, que terá ditado esta investigação, terá acontecido em 2017, quando se assinalavam os 10 anos do desaparecimento de Maddie. O homem terá mostrado também ao amigo um vídeo dele a violar uma mulher.

Polícia britânica desvalorizou suspeito alemão em 2012

A polícia britânica recebeu, em 2012, os elementos do processo da Polícia Judiciária sobre o desaparecimento de Madeleine McCann no qual constavam centenas de pessoas, entre elas o alemão anunciado agora como suspeito, a quem não atribuiu relevância.

“Nesta altura só podemos dizer que se está a tentar comprovar a possível ligação entre os casos ‘Madeleine’ e ‘Inga’ [a criança desaparecida em 2015], aqui na Alemanha, e perceber até que ponto isso pode levar a sustentar as suspeitas, aí em Portugal, contra o acusado”, explicitou a procuradoria da cidade de Stendal, acrescentando que “a investigação está a seguir o seu curso”.

De recordar que o Ministério Público de Braunschweig, na Alemanha, já assumiu que Madeleine McCann está morta. A família de Madeleine McCann procura respostas no caso em que foi identificado um suspeito na Alemanha, nomeadamente saber por que razão as autoridades alemãs acreditam nesta tese.

Fonte: NM