A fome virou propaganda!

Esse Brasil que passa fome, é o Brasil de todos os dias! É o Brasil de sempre!

O Brasil que passa fome sempre esteve onde está! Com fome, morrendo!

 

O Brasil da caridade, sem compaixão! A compaixão pelos aflitos e desamparados!

 

A fome se transformou em moeda de troca dentro do sistema democrático! Ou do show midiático. Eles sempre estão lá! Os pobres! Morrendo de fome! De sede, nus, aprisionados! O pobre é uma moeda que não tem valor mais alto que o “voto”. Eles valem a obrigação de escolher quem os ricos escolhem para nos governar, do lado de lá e do lado de cá!

 

Os necessitados sempre estarão conosco! E o lucro? Com a venda do suor, do sangue e da humanidade! Qual é a nossa porcentagem?

 

Andamos nas mesmas ruas, em que os que aumentam preços andam, dos que se alimentam da miséria alheia! Somos um, com eles! Quantas fotos da fome farão a revolução! Quantas notícias nos jornais fará a revolução? Quantas manifestações sanará a fome? Quantas pessoas você conhece que está passando fome? E você? Tem mesmo fome e sede de justiça?

 

O nosso caminho é a definição de quem somos! Quem somos por onde passamos!?

A revolução já está consumada! O futuro já foi escrito! Está em curso! Não depende de nós! O futuro tem dono! O mesmo dono do tempo!

 

A história está sendo escrita e não estamos nela! Parecemos mortos! Apesar de poder nascer de novo! Pra fazer parte! Pra fazer a diferença! Individual e coletivamente!

 

A nossa voz ecoa forte, pedindo a mudança!

 

Imagina se cada manifestação politica fosse a manifestação do Espirito que lhe dá a vida, dando vida aos que morrem de fome!?

 

Quanto vale suprir a fome do faminto? Um telefone, um carro, uma roupa a pampa? Um corte de cabelo, uma tatuagem, uma cerveja, um cigarro?

 

Talvez um pouco do seu tempo! Um pouco do tempo de todo mundo! Uma caminhada ao lado deles? O grito que pede justiça não traz paz! Ele não consola, esse grito satisfaz apenas a sua vontade gritar! O grito da multidão, satisfaz apenas sua própria fome!

 

Por não ter o poder de mudar o que deveria mudar com a ação, onde quem tem, dá! Dá a própria vida! “Se alguém tiver recursos materiais e, vendo seu irmão em necessidade, não se compadecer dele, como pode permanecer nele o amor de Deus”?

 

A paz vem da humildade, do perdão, misericórdia e amor! A paz é diferente!

Mas estamos em guerra! E não é contra a desigualdade! Não é contra a fome, é muito mais a favor de direitos, de respeito, ideológico! Lutamos para sermos aceitos!

 

E não é através de guerras que vivenciaremos a paz! Não são os protestos, nem manifestações partidárias, ou mesmo clamores, o fim da guerra não vem pelo sistema democrático, muito menos através de ditadores, também não encontraremos a paz no manifesto de Karl Marx, ou em livros de Paulo Freire!

 

A paz não vem de lados opostos! E nem do extermínio do inimigo! Não vem da violência do oprimido, tampouco com a caridade do opressor! Pois as vezes eles pensam que com uma ou duas moedas dadas aos pobres, seus pecados serão perdoados!

 

A injustiça depende do justo para haver justiça! E não é justo comer, se alguém passa fome!

 

A multiplicação do pão vem da compaixão! Do pensar nos outros, do amor de um por todos os outros! Sem cor, sem gênero, sem crenças, sem ideologia, sem dinheiro, sem lucro!

Abundancia não se resume a fartura! Ela é a satisfação! É a paz! É certeza! É a fé!

 

A fome vende jornais! Sustenta políticos, mantêm a corrupção em rota de colisão, dá lucro, sobra dinheiro aos endinheirados! A fome vira tema de discursos eleitoreiros, gera ajuda coletiva, mas não gera transformações individuais, gera idolatria aos que fazem o bem, tornando-os cambistas e vendedores, pois ajuda também a transferir responsabilidades!

Quem sente fome, sente dor, aflição, medo, angustia, pânico, a fome mata!