‘A INVENÇÃO DO AMOR’

Falar de um sentimento universal me parecia um tanto quanto piegas, mas o  amor, tratado nesta deliciosa comédia romântica “A Invenção do Amor”, com Guilherme Piva e Maria Clara Gueiros, dirigida por Marcelo Valle, me surpreendeu muito pela forma como o tema foi tratado, pelo modo livre e espontâneo de explorar algo tão trivial.

O texto de Alessandro Marson e Thereza Falcão usa e abusa do tom cômico sem perder de foco a visão crítica, reforçando a necessidade de saber amar. Não tem como não se identificar com as falas de Nhaca, interpretada pela ótima Maria Clara Gueiros. A peça fala com bastante tranquilidade sobre traição e poliamor, que nada mais é do que um retorno às nossas origens tribais.

Machista e com uma inteligência fora do comum, Croc (Guilherme Piva) decide inventar o amor para impedir sua mulher de se relacionar com outros machos, assim o casal pré-histórico vive situações que marido e mulher só enfrentariam anos, décadas ou milênios mais tarde. Tudo com muito humor e boas tiradas.

Uma agilidade cênica maravilhosa que gera gargalhadas a todo instante. Muita cumplicidade e entrosamento deixam a peça em perfeita sintonia com o público, que responde bem a cada piada.

Os figurinos de Marcelo Olinto ambientam à época proposta e deixam os atores livres para as movimentações das cenas.

“A Invenção do Amor” é dirigida pelo inteligente Marcelo Valle, que sabe colocar os “pontos nos is” e fazer com que tudo flua bem… Todos os pontos das relações amorosas são tratados com comicidade, desde o fato de Croc determinar os direitos e deveres dentro de um casamento até Nhaca por tudo em cheque, sendo responsável por instaurar a primeira greve de sexo. São muito engraçadas as cenas que nos ajudam a entender como tudo começou, lá nas cavernas…

Que maravilha poder ver e acompanhar essa invenção… Que texto gostoso de se ouvir…que gracinha de peça! Que final surpreendente! Sorri sem parar…

E no fim, entende-se que inventado ou não, o amor está ali, presente, em todo instante e independente da forma como é visto ou sentido, é e sempre será AMOR.

 

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here