Artista vira oficialmente princesa da Bélgica

A artista belga Delphine Boël, nascida de um relacionamento extraconjugal do rei emérito Albert II da Bélgica, foi oficialmente designada princesa do país nesta quinta-feira, após uma decisão de um tribunal de Bruxelas que analisou um pedido de reconhecimento da paternidade.

Delphine apresentou a Alberto II o primeiro pedido de reconhecimento de paternidade em 2013. Agora, a artista passará a ter o sobrenome do pai, Saxe-Cobourg-Gotha, informou a emissora pública belga “RTBF”.

Os filhos de Delphine, Josephine e Oscar, também passam a ser considerados princesa e príncipe da Bélgica e serão tratados como “sua alteza real”.

Em declarações reproduzidas pela agência “Belga”, o advogado da artista, Marc Uyttendaele, disse que a sentença dá “plena satisfação” à artista, que agora será tratada “em pé de igualdade com seus irmãos e irmãs”.

“Ela está feliz com esta decisão, que põe fim a um longo e doloroso processo para ela e a família. Uma vitória jurídica nunca substituirá o amor de um pai, mas oferece um sentimento de justiça”, comentou.

A existência de Delphine Boël, de 52 anos, foi revelada em 1999 como consequência da publicação de uma biografia não autorizada da rainha Paola.

O Tribunal de Apelações de Bruxelas ordenou em maio de 2019 ao antigo monarca, de 86 anos, a realização de um exame de DNA para a comparação dos dados genéticos da suposta filha.

No dia 27 de janeiro, Albert II confirmou que o resultado do teste ao qual foi submetido por ordem judicial mostrava que ele é o pai biológico da artista.

Fonte:EFE