Assuma suas Crenças Limitantes, corrija (elimine) e seja feliz!

Durante muitos anos da minha vida, enfrentei um grande desafio que me impedia de alcançar os meus objetivos mais profundos. Mais tarde, após um tsunami, resolvi a me voltar para mim mesma, pois várias situações estavam voltando, era como se eu precisasse aprender algo e não estava sabendo o que e muito menos como deveria agir, trabalhando com conceitos de desenvolvimento humano, descobri que minhas crenças limitantes bloqueavam minha capacidade de entrar em ação e gerar resultados.

Nossas crenças governam e determinam nossas ações, e muitas pessoas acreditam que são os fatores externos que controlam suas vidas. Na verdade, toda mudança pessoal tem início na crença e não no comportamento como alguns acreditam.

Afinal, o que é uma crença limitante ou crença limitadora? É aquele tipo de crença, ideia ou pensamento, que nos impede de executar ações que possivelmente gerariam resultados positivos em nossa vida.

No processo de evolução, nós vivemos aprendizados que, com sorte, nos ensinam a ter uma mente forte. Mas podemos nunca obter aquelas ensinando como eliminar crenças limitantes para a nossa superação.

Desde quando nascemos, vivenciamos experiências que influenciam negativa e positivamente nossas vidas. E nem sempre a maneira que interpretamos esses adventos corresponde à realidade.

Pois o mundo dos sentimentos e pensamentos pode ser um grande laboratório da vida, e nele existem muitas experimentações que podem ora autossabotar ou motivar nossos próximos passos.

Como uma crença limitante paralisa você?

Se não sabe a resposta, basta pensar em exemplos comuns.

“Não consigo”, “nunca vou aprender”, “nem vou tentar”.

Conseguiu se identificar com alguma dessas frases?

Mesmo de forma inconsciente, esse modelo de pensamento está presente em nossas vidas.

Ele faz com que duvidemos da nossa própria capacidade e coloca um ponto de interrogação ao final de cada frase ou um “não” no início.

Assim, o pensamento limitado é compreendido como uma realidade, transformando os erros tão comuns às pessoas em uma norma para a mente, que as enxerga conclusivas.

Dessa forma, as crenças funcionam como bloqueios que impossibilitam alternativas de solução para certas situações, que passam também a serem elas próprias as limitadoras do homem.

Para a psicologia, a crença limitante significa ainda um conceito falso que uma pessoa adquire como resultado de uma conclusão incorreta sobre algo da vida.

A partir dessas crenças, sempre que se pense quebrar determinada barreira, o inconsciente corresponde com a sensação de medo do fracasso ou outra sensação limitadora que impeça qualquer tentativa.

Esses bloqueios gerados por crenças estão presentes em vários aspectos da vida e foram programados, podendo autossabotar um individuo e levá-lo a ter falta de confiança em sim mesmo.

Eles também são os responsáveis por inibir o crescimento pessoal, profissional, amoroso, familiar ou acadêmico. E são potenciais causas de depressão, ansiedade e baixa autoestima para muitas pessoas.

Fato que ocorre muito, mais do que possamos imaginar. Durante nossa infância detalhes trazem prejuízos imensos para o resto de nossas vidas.

Para que consigamos nos curar, sair deste ciclo, são necessárias mudanças de hábitos e de pensamentos, opiniões e até mesmo posturas.

A Sociedade é A Maior Criadora de Nossas Crenças

Uma pessoa que não segue padrões de beleza comuns da sociedade pode pensar que nunca será atraente para alguém, mesmo havendo milhões de pessoas procurando alguém exatamente como ela. Ou seja, normas de conduta social afirmam valores sociais e claro, constroem crenças também.

Um dos ambientes sociais onde mais se exercitam crenças é dentro de uma igreja.

Certamente só podemos concordar que elas se baseiam em intenções positivas, mas seus efeitos independem de intenções quando desencadeadas na mente de algumas pessoas.

Vejamos os conceitos de “pecado” e “redenção” por exemplo.

Ambos são utilizados na maioria das religiões, e seu efeito psicológico comportamental se traduz na conhecida politica do temor em troca do amor.

Uma forma de impedir alguma ação prejudicial através do medo de suas consequências, e ao mesmo tempo, após gerar a crença de culpa, torna-se garantia de afago contra a consequência temida.

Quando determinado modelo de crença é utilizado sobre as relações sexuais, por exemplo, pode funcionar pela vida inteira.

O ato sexual é considerado apenas uma provação de amor ou realização em boa parte dos casais, mas pode ser entendido também como uma violação espiritual.

É comum muitas religiões verem pessoas que praticam o sexo por prazer como impuras. E consumar tal ato é um pecado dependendo da crença adotada.

Existem inúmeras crenças que podem tornar o sexo algo bom ou ruim em contrapartida. Todos são muito particulares e se distinguem de indivíduo para individuo em sua criação.

Em todo o caso, uma pessoa pode ser mais inclinada a um pensamento do que outro. Esse efeito é construído em nosso sistema de crenças e determina nosso modo de agir.

Esses modelos de crenças são formados, sobretudo, pelas informações fornecidas pela família, sociedade, religião, politica e outros atributos culturais de um povo.

Um ótimo exemplo de alguém que está superando uma crença limitante é a história de como Roger Bannister quebrou a milha de 4 minutos. Antes de 1954, a maioria das pessoas alegou que não havia como percorrer uma milha em menos de 4 minutos. Muitos corredores foram cronometrados às 4:03, 4:02 e 4:01, mas a maioria dos corredores acreditava que ficar abaixo dos 4 minutos era fisiologicamente impossível. Roger Bannister, no entanto, não concordava com esta crença. Bannister acreditava que ele poderia quebrar a barreira de 4 minutos sob as condições certas – e ele fez.

O feito de Bannister foi impressionante, mas o que é realmente interessante é que no ano seguinte mais de uma dúzia de corredores quebraram a milha de 4 minutos. Por quê? Será que todos de repente ficaram mais rápidos ou começaram a treinar mais? Claro que não. O que aconteceu foi que os corredores finalmente acreditaram que poderia ser feito. Até que Roger Bannister quebrasse a barreira, os corredores estavam colocando limites psicológicos em si mesmos porque acreditavam que simplesmente não era possível quebrar a milha de 4 minutos.

Alguns exemplos de crenças:

Crenças pessoais:

  • Sou muito crítico
  • Tudo que quero eu consigo
  • Minha saúde não presta
  • Tenho algum trauma com dinheiro
  • Não mereço ser feliz

Crenças sobre o nosso país:

  • Brasileiro é um povo alegre
  • Brasileiro é malandro
  • Brasil não tem jeito, a única saída é…
  • Brasil é uma das maiores economias do mundo e tem um futuro brilhante

Deu para perceber que algumas crenças são boas, nos dão força e outras são limitantes, ou negativas.

Outro impacto profundo que as crenças causam é na nossa visão de mundo. As crenças funcionam como óculos que filtram a realidade em um modelo particular de mundo. De acordo com suas crenças você verá o mundo ao seu redor. Se alguém acredita que “Todos os empresários só pensam em seu bolso” poderá filtrar a realidade em três aspectos:

  1. Generalização
  2. Distorção
  3. Deleção

Generalização ocorre ao generalizar um aspecto específico e atribuí-lo a algo maior. No caso da crença acima, a pessoa generaliza acreditando que todos os empresários só pensam no seu bolso. Não é verdade. Tem alguns que pensam diferente… Uma generalização limita nossa percepção da realidade. E o modelo de mundo criado na sua cabeça estará comprometido por esta percepção falsa.

A distorção ocorre por alterar ou distorcer aspectos da realidade. No caso da crença acima, poderia ser algo como, acreditar que procurar lucro é só pensar em seu próprio bolso. Não é verdade. Sem lucro não sobra para investir, para poupar, para ser recompensado e se motivar a crescer, etc… É principalmente no filtro da distorção que o impacto da educação e cultura é mais proeminente, pois lida com significados. A associação entre ideias nada mais é do que um significado. Uma coisa significa outra. A influência da opinião dos outros também pode distorcer a realidade.

A deleção está associada com a cegueira que crenças podem ocasionar. Por isso temos a expressão fé cega. A pessoa deixa de ver a realidade. Ela deleta pedaços de informação e reconstrói em seu modelo mental uma realidade paralela, false e incompleta. Muitas das seitas e culturas extremistas trabalham em crenças neste nível profundo para que seus seguidores não consigam ver o que realmente está acontecendo.

Passos para se Livrar das Crenças Limitantes

Você deve reconhecer suas crenças limitantes. Normalmente você pode reconhecê-las porque elas estão impedindo você de fazer algo, muitas vezes elas vêm com uma justificativa por trás, e fazem você se sentir mal ou impotente em relação a uma ou várias situações da vida.

 Tudo o que você diz a si mesmo para justificar o que não está funcionando é uma crença limitante.

Passo 1: Escreva a crença limitante. …

Passo 2: Reconheça que são crenças, não verdades! …

Passo 3: Tente uma crença diferente. …

O truque é ir além de apenas dizer isso. …

Etapa 4: Tome uma ação diferente.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here