Depressão: uma doença silenciosa

O Janeiro Branco que tem como objetivo o cuidado com a saúde mental finalizou, mas segue com a reflexão diária de que é preciso tratar da qualidade de vida, das relações com as pessoas para que sejam mais harmônicas, com mais paz e sentido. Diante de tantos acontecimentos do dia a dia, surge uma pandemia nunca vista antes a qual estamos inseridos e somos afetados constantemente.

 

O quadro visualizado não é dos melhores e pode ser um passo para indivíduos com predisposição a agravar quadros leves em formas mais severas, evoluindo para quadros depressivos. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a depressão é um transtorno comum, que interfere na vida diária, na capacidade de trabalhar, dormir, estudar, comer e aproveitar a vida.

Causada por uma combinação de fatores genéticos, biológicos, ambientais e psicológicos, estima-se que mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo sofram com o transtorno. Para o gerente médico do ClubSaúde, um dos mais completos e acessíveis programas de acesso à saúde e bem-estar, o Dr. Hyun Seung Yoon, um desarranjo no campo emocional pode refletir em muito mais do que um dia ruim. “A depressão é considerada uma doença silenciosa, perigosa e real. De acordo com a OMS, o ano passado foi a doença mais incapacitante do mundo,” explicou.

 

Saúde no Trabalho

Segundo dados do Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho – SmartLab, os afastamentos conforme os tipos de doenças, em Goiânia, identificando depressões e episódios depressivos ultrapassam 3 mil. O CEO do ClubSaúde, Luís Alexandre Cicani ressalta que, “as empresas, especialmente os membros do RH estão olhando com mais cuidado para os riscos ocupacionais aos quais os trabalhadores estão expostos”.

 

Para ele, a gestão humana está no centro da retenção de talentos nas organizações. “Ninguém quer perder bons profissionais, principalmente deixá-lo afastado do seu ambiente de trabalho,” finaliza.