Dias melhores virão, qual seria a sua contribuição para isso

Dias melhores virão
Mas eu ainda continuo
acreditando que os melhores
dias são construídos pela serenidade
do nosso coração, pela paz que
transmitimos ao outro, pela forma
que lidamos com as pessoas, pela
simplicidade dos nossos atos e
pelo sorriso que a gente leva
mesmo quando a alma chora.
Acredito que os melhores
dias são aqueles que a
gente arrisca ser feliz e não
se importa com que vem pela
frente, apenas vive sempre
acreditando que algo novo
Deus irá fazer.

Cecilia Sfalsin

Que tal mudar totalmente sua visão e postura no mundo…

Após um ano de muita luta, crises existenciais, dores e luto, ainda estamos em meio a pandemia, mas existe a perspectiva de que coisas boas estão chegando por ai, que dias melhores virão…

Ver a vida de forma otimista e refletir sobre a importância de lutar diariamente por todos os seus sonhos são formas de não desanimar no caminho para alcançá-los, mesmo em meio a uma pandemia.

Claro que devemos seguir sendo sempre cuidadosos e responsáveis, mas quando acabar a pandemia, o que será de nós, como você estará? Imagino que sairemos fortalecidos, com uma visão diferente de mundo, sabendo o verdadeiro valor da vida, mas da vida de verdade e das pessoas principalmente. Já imaginou isso?

Será que o que definimos de dias melhores, será voltado aos antigos hábitos errados que seguíamos? Ou seria mudar drasticamente com cuidados conosco, com as pessoas e principalmente com os animais, plantas, enfim com o planeta.

Devemos lutar sempre pelo que queremos, valorizar ao máximo o que possuímos, conservar o que você tem de melhor, esqueça tudo aquilo que lhe magoa, entristece e faz sofrer, aproveite a vida e o que ela tem de bom, pois como nunca sabemos que ela é muito curta.

Às vezes é quase impossível, mas é isso que precisamos levar: que vai dar tudo certo, que vamos chegar lá e que vai passar, a vida sempre compensa. Porque quando perdemos a fé, nós já não temos mais nada e a vida não segue.

Eis que melhores dias virão, num amanhã que breve já desponta, pois que a verdade nunca desaponta, a quem lhe traz guardada ao coração, a quem cultiva o amor, a esperança de dias melhores.

Não se afogue em problemas, nem se deixe abater por medos e sofrimentos. Mantenha-se firme e acredite, dias melhores virão, sim virão sim, mesmo após uma pandemia tão desesperadora quanto esta. Quando você menos esperar, todas essas dificuldades acabaram e dias cheios de luz e amor nascerão.

Todo mundo comete erros, todo mundo se engana, todo mundo fica triste, todo mundo sofre, chora, ao menos uma vez na vida. Não se martirize se você cometeu um erro, se enganou com algo ou alguém podendo até mesmo perder a esperança…

Seja o bem que falta no mundo, ao invés de se sentar e reclamar que as coisas vão mal e que a humanidade está perdida. Levante-se e faça a diferença, respire fundo. Recicle o lixo, ajude uma pessoa necessitada, dê o lugar no ônibus para um idoso, as mudanças sempre começam com pequenas atitudes.

Você precisa saber de uma coisa, você merece apenas o melhor, todos nós sempre merecemos o melhor. No entanto, para que você consiga o melhor, você precisa ofertar o mesmo. A lei do retorno é universal, se você distribuir o caos por aí, não vai receber a paz de volta, a vida não te trará o que você tanto deseja.

Você é o único responsável por sua saúde e felicidade, assim como de todos no planeta. Só você é capaz de lhe proporcionar paz e momentos tranquilos. Não coloque essa responsabilidade nos ombros de ninguém, nem atribua a outra pessoa a culpa por você não estar bem com si mesmo e com o mundo a sua volta.

Quem semeia o bem, colhe o bem…Quem planta o mal e a discórdia, colhe o mesmo. Não existe a possibilidade de se plantar batatas e colher morangos. Por isso, eu te pergunto, o que você tem plantado? O que você tem feito para mudar o mundo ao seu redor? Você tem se cuidado durante a pandemia? Vc se adaptou ao novo normal? Já aprendeu a ver os com verdadeiros olhos e sentido da vida?

Muitas coisas podem acontecer para nos desviar do caminho que desejamos seguir. Mantenha-se firme e não se desvie do seu caminho. Por mais difícil que os obstáculos que surgirem possam ser, respire fundo e procure sempre a melhor maneira de driblá-los, mas não deixe que eles os impeçam de continuar, se adapte, se organize, respire fundo e siga sempre em frente.

O passado é uma roupa que não te cabe mais e o futuro só existe para quem seguir no presente plantando o que quer colher.

Essa pandemia veio para nos mostrar como andávamos descuidados, enlouquecidos, frenéticos e esquecendo de cuidar do principal.

Seja o bem que falta no mundo, ao invés de se sentar e reclamar que as coisas vão mal e que a humanidade está perdida. Levante-se e faça a diferença. Recicle o lixo, ajude uma pessoa necessitada, dê o lugar no ônibus para um idoso, as mudanças sempre começam com pequenas atitudes, mude suas atitudes.

O sonho de um mundo melhor rodeia muitos ativistas e pessoas preocupadas com o futuro. O clichê de jogar lixo na lixeira não é a única maneira de contribuir para um planeta melhor. Existem inúmeras atitudes, inclusive morais, que fazem com que as relações humanas e com a natureza evoluam:

 

– Faça trabalhos voluntários;

– Seja ecologicamente correto;

– Respeite;

– Pratique a solidariedade;

– Seja consciente;

– Seja doador;

– Viva sem julgamentos;

– Eduque as crianças;

– Compartilhe conhecimento;

– Seguir as normas, rotinas e recomendações;

– Lute pelo que acredita.

Ninguém muda o mundo se não consegue mudar a si mesmo. Cuide da Saúde do Planeta. Não desperdice água, não jogue lixo no lugar errado, não maltrate os animais ou desmate as árvores. Por mais que você não queira, se nascemos no mesmo planeta, compartilhamos com ele os mesmos efeitos e consequências de sua exploração.

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, muda-se a confiança…

Segundo Neto José Alves, Camões registrou, com maestria, a transformação impulsionada pela modernidade. Séculos depois, experimentamos a descentralização de categorias universalizantes e a pulverização de vozes, sujeitos e experiências. A dificuldade para encontrar as respostas que buscamos não está relacionada a uma interdição reflexiva ou criativa, mas a uma brusca alteração e aceleração de eventos. O conservadorismo, que nunca deixou de existir, está fortalecido, na atualidade, por ser a resposta conhecida à insegurança diante do futuro.

A reconfiguração das vidas cotidianas, mediada pelas tecnologias, produziu uma sensação de autonomia que, paradoxalmente, pode anular a condição de sujeitos. Quando cada pessoa estabelece o que quer ver, quer acreditar e constrói uma lógica e mundos próprios, o resultado é o esvaziamento e a insignificância deste mundo. A hesitação e o medo passam a ser companheiros que, para disfarçar as inseguranças, transmutam-se em discursos inflamados, virulentos e inoperantes. A confiança, nesse caso, é apenas aparente. Quando em um mundo não cabem outras visões e expectativas é sinal de reducionismo e simplificação que apaga diferenças e torna inviável a construção de alternativas, como demonstram os fundamentalismos de diferentes ordens.

O apelo por mudanças não significa, como a modernidade projetou, um caminho progressivo, nem linear. A rejeição às condições concretas e objetivas do mundo atual convive, com tranquilidade, com noções como resgate e retorno. Reviver o tempo passado, como sabemos, não é possível. Mas a nostalgia pode ser a conselheira dos que, ignorando ou temendo o futuro, só conhecem o que já foi experimentado e, sem ousadia e imaginação, recorrem ao peso das tradições.

Resistir às mudanças é inócuo, pois muda-se, inclusive, por conta de nosso olhar. Muito tempo na mesma situação gera alguma forma de acomodamento que por esgotamento pode produzir novas rupturas. Mas, jogar-se num ciclo de rupturas incessantes pode ser inútil.

Mesmo em tempos acelerados há um tempo necessário para que novas configurações e contextos emerjam. Os aparatos políticos, tecnológicos, comportamentais, econômicos e morais interferem nas reelaborações que, sistematicamente, as pessoas parecem querer ignorar ao jogarem sobre si e suas atividades o peso – com as angústias e as glórias potenciais – de liderar um processo de mudança, sobretudo em relação ao desconhecido.

Sabemos que esta é uma frase banal, mas nem por isso deixa de ser verdadeira: a mudança começa em nós mesmos. Se nos juntarmos à multidão que espera que a realidade mude como condição para fazer nossa parte, tudo permanecerá igual. Cada um de nós deve se comprometer com ações para mudar o mundo se o que queremos é uma nova realidade.

Fecho com a citação:

“ Se você deseja mudar o mundo, mude a si mesmo”.
-Mahatma Gandhi-