Eleições 2022: anseios do novo eleitor pós-pandemia

Foto reprodução - TSE

O Brasil e o mundo viveram um momento de pânico com a pandemia de Covid-19 em 2020 e 2021, isso trouxe um novo comportamento para população. Até 2020 a maioria dos eleitores não acompanhava o desempenho de seus candidatos, depois do voto eram esquecidos pelos eleitores, mas a pandemia, apesar de ser um problema de saúde pública, colocou sob os holofotes a política.

*Por Ilton Belchior Cruvinel

A população passou a acompanhar atentamente as notícias tomando conhecimento de todos os passos da política, da justiça e da economia. O eleitor pós-pandemia mudou, encontra-se hoje informado e participativo. A internet tornou todos opinativos, informados e participantes.

O Brasil vive atualmente num momento dicotômico em que duas forças fazem um verdadeiro cabo de guerra, as ditas direita e esquerda se digladiam, mas a questão é mais profunda. A eleição de 2020 não mostrou a relevância da pandemia nas urnas, mas demonstrou o novo eleitor muito mais informado e participativo.

Em todo o mundo a controvérsia sobre a pandemia esteve em voga sobre os tratamentos, uso de máscaras e fechamento dos setores econômicos, a única coisa mais unânime foi a vacinação.

O foco das eleições de 2022 será a economia correlacionada indiretamente aos aspectos sociais como a miséria, o desemprego, a inflação, a queda do mercado produtivo, mas agora teremos que lidar com um eleitor informado e participativo, atento para as propostas e antenado com o perfil dos candidatos. Com isso, podemos esperar um eleitor mais investigativo e informado.

A eleição de 2022 será marcada por uma maior necessidade de entendimento sobre o eleitor, a identificação de anseios e expectativas. O eleitor pós-pandemia precisará ser conquistado com propostas mais profundas e específicas. O candidato precisará de uma precisão maior sobre onde está seu eleitorado, como atingí-lo e conquistá-lo. Essa eleição será marcada por novas estratégias de marketing, tudo terá que ter uma resposta assertiva e rápida.

Em 2022 a fórmula terá que ser mexida, ajustada e reinventada. Saíra na frente quem melhor se adaptar a esse novo cenário político.

*Prof. Ilton Belchior Cruvinel – (Ilton Belchior Cruvinel é Professor universitário, estrategista de marketing e colaborador da SIC do estado de Goiás). E-mail de contato: iltoncruvinel@hotmail.com