Os jornalistas Fabricio Magalhães e Paula Tooths, do Grupo A Hora – Agência de Notícias e Conteúdo, fazem um parâmetro do que está acontecendo no Brasil, Estados Unidos e Europa a respeito da COVID-19.

Na análise do jornalista Fabricio Magalhães, o Brasil registrou um triste número de 611.283 óbitos e 21.957.96 casos confirmados pela COVID-19, dados estes do site oficial do governo, covid.saude.gov.br até o dia 14 de setembro. “São dados alarmantes, assustadores, mas ao que parece, para grande parte dos brasileiros e dos governantes, tudo está tranquilo, a maioria já se vacinou com a segunda e terceira doses da vacina, e no Brasil estamos prontos para carnaval, réveillon e muitos eventos, com aglomerações.

Precisamos voltar ao que erámos antes, mas estamos preparados, a COVID-19 passou, as vacinas protegem contra a contaminação pelo Coronavírus?

Não, não protege contra a contaminação, deixa o organismo mais resistente de tal forma que em alguns casos, os sintomas nem aparecem, mas segundo a ciência, não estamos 100% protegidos, nem aqui no Brasil e nem no restante do mundo. É preciso cautela por parte de nós população e por parte dos governantes. Estamos em novembro, próximo de encerrarmos o ano e muitas foram as perdas de cada um de nós para a COVID-19 em 2021, será que realmente estamos prontos para entrarmos em uma “roleta russa” contra a COVID-19”? questiona Fabricio Magalhães.

Segundo o site da Agência Brasil, na última semana de outubro, a Europa e a Ásia Central foram responsáveis por 59% de todos os casos e 48% dos óbitos registrados no mundo inteiro. Com quase 1,8 milhão de novos casos e 24 mil novas mortes relatadas, a Europa e a Ásia Central viram um aumento de 6% e 12%, respectivamente, em comparação com a semana anterior.

No Brasil, o número de casos e óbitos tem baixado, mas veja a tabela abaixo atualizada até 14 de novembro onde cada região do país tem lidado com o Coronavírus:

Para a jornalista Paula Tooths, do grupo A Hora também, residente nos Estados Unidos, por lá não tem sido diferente, de 08 a 14 de novembro foram 587.42 mil novos casos e 8.900 novas mortes. “A situação está muito complicada, temos muitas pessoas que são contra a vacinação e defendem a “teoria da conspiração” sobre o vírus e a imunização, sem contar com a quantidade de pessoas que não utilizam máscaras de proteção, eu e minha família temos feito nossa parte, tudo que não queremos é sermos contaminados pelo Coronavírus, nem hoje e nem amanhã”. Finaliza a jornalista Paula Tooths.

Segundo a Organização Mundial da Saúde – OMS, as vacinas COVID-19 têm se mostrado seguras, eficazes e salvam vidas. Como outras vacinas, elas não imunizam totalmente todas as pessoas vacinadas e ainda não sabemos até que ponto podem prevenir a transmissão. Além da vacinação, devemos acompanhar as demais medidas de combate à pandemia.