O céu está aqui

Desde que as missas puderam ser presenciais, o que completa 30 dias já, não havia ido participar junto ao povo. Muito menos adquirir o convite para a participação antecipadamente. Nós, que nos considerávamos ‘livres’ para irmos ao templo a hora que bem entendíamos. Quantas mudanças! Algumas orientações de distanciamento dos fiéis precisam ser seguidas e isso é notado nos números dos bancos. Ou melhor, na sinalização onde pode ou não sentar-se.

Anteriormente à pandemia muitos cristãos viviam na igreja, principalmente os que são do grupo de risco (com mais de 60 anos). Hoje a presença está limitada à participação assistindo pelas redes sociais. Deve ser muito difícil para quem se dedicou ou dedica aos trabalhos de uma paróquia. Mas devemos pensar que em breve, se Deus quiser estaremos juntos novamente.

Agora os pés ao entrar na igreja são higienizados, existe uma conferência pelo celular ou papel impresso para entrada, a medição de temperatura e para que não haja aglomeração, apenas 30% da capacidade das igrejas acolhe as pessoas que desejam participar da celebração dominical. No último domingo, 24, feriado em Goiânia, festa em louvor à Nossa Senhora Auxiliadora foi um dia diferente de todos já vividos antes da pandemia.

A liturgia se expressava pela Ascensão do Senhor com a mensagem de que Jesus estaria conosco todos os dias, até o fim do mundo. E isso foi bem frisado durante a celebração inteira que tocou muitos servos e servas de Deus. A experiência de ir para a igreja de máscara e com o tempo frio na ocasião foram dois fatores que modelaram a noite. As ruas escuras e vazias de Goiânia apresentam uma morbidez que não precisa estar em nossos corações. Até porque o céu está aqui.

Dentro de mim, ao meu lado, no meu lar, trabalho e no meu irmão. Basta crer e confiar que dias melhores para sempre virão. Já era parte de uma canção. Muitas coisas já aconteceram nestes quase 70 dias de quarentena e a transformação das nossas vidas precisa acontecer. Nossas ‘verdades’ precisam ser questionadas. O tempo não é mais o mesmo. Nem quando a pandemia acabar nossas vidas serão normalizadas. É preciso viver o momento presente sem protelar uma vivência na fé futura ou felicidade. Se minha casa é um santuário de bênçãos e graças, o Santuário Sagrada Família inspira os cristãos a também levarem a mensagem deste céu à mais pessoas que se encontram em seus lares. Seja rezando o terço, pagando promessa, vivendo o que a fé nos exige como seres humanos, na capacidade e prática do bem cotidianamente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here