O que é um bom atendimento ao cliente?

Para termos empatia, proatividade e humanização deveríamos ser submetidos desde o início de nossas vidas ao atendimento ao cliente. Ele forma caráter, conscientiza e auxilia a adotar boas práticas. Talvez você seja um (a) assíduo (a) frequentador(a) de uma padaria e certamente gostaria de ouvir do atendente depois de um certo tempo “O mesmo de sempre?”.

Não por comodismo ou por não querer mudar seu pedido, porém porque ele aprendeu a te conhecer. Relacionamentos são construídos diariamente, contudo o que domina é o interesse em mantê-los, e isso é um processo. Então, como manter o bom relacionamento ao cliente? Primeiramente você precisa conhecer o seu cliente. Não basta apenas tirar dúvidas do seu produto ou serviços, identificar se ele (a) ficou interessado (a) ou não. Quando alguém nos procura é sempre para solucionar algum problema ou dor. Segundo: saiba ouvir.

Neste momento, o cliente quer ser ouvido e expor o seu problema. Ouça sem opinar. Durante este primeiro atendimento caberá a você obter informações importantes durante a interação. Independente de qual forma exercerá o atendimento, se pessoalmente, por telefone, e-mail, redes sociais, chat online ou aplicativos de mensagens. Terceiro: trate-o sempre pelo nome e tenha assinaturas em seu e-mail. A abordagem será muito mais produtiva. Quarto: não leve nada para o lado pessoal. Você está ali de forma profissional para otimizar o impacto de uma experiência ruim. Coloque sempre em prática que você é o primeiro passo para resolução dos problemas do cliente.

Quinto: é preciso definir um tipo de linguagem humanizada para que a interação não seja robotizada. Lembre-se sempre que as pessoas querem conversar, mesmo que estejam reclamando de algo ou alguma situação. Sexto: tente ajudar da melhor forma possível. Na conversa você precisa ser atencioso (a), prestativo (a) e interessado (a) em resolver as demandas. Ao longo dessas dicas saberá como desenvolver a empatia, aplicar métodos diversos, fazer o que é melhor para ele (não o que ele quer porque o não precisa ser dito muitas vezes), focar no que precisa ser feito e envolvê-lo (a) na resolução.

Oriente-se com essas dicas, apresente para nós as alternativas que já adotou no seu atendimento que deram certo e tenha em mente em contribuir sempre com um bom atendimento. Certamente voltaremos com mais dicas sobre este assunto. Enquanto isso, salve este texto, curta, compartilhe com quem achar necessário e contribua com mais pontos de abordagem e formas para um bom atendimento. Qualquer dúvida, sugestão ou crítica, receberei por e-mail: jornalismocarolinesantana@gmail.com com muita alegria em responder.