Atenção Mulheres! Atenção Homens! Ei você, adolescente… o psicopata se encontra do outro lado, na rua, no seu trabalho, enfim em todo lugar.

Destituídos de remorsos e de empatia, psicopatas, focam-se no que querem sem se importar com quem se atravessa no caminho. Com manipulação e encanto superficial, podem surgir na sua vida e procurar iniciar uma relação íntima.

Os psicopatas são astutos a identificar as vulnerabilidades da potencial vítima, inclusive pela forma como caminha ou publicações que faz nas redes sociais. Um psicopata pode esconder, com facilidade, a sua essência por trás de um computador.

Lembre-se, no início, os psicopatas aparentam ser melhores do que as pessoas comuns. A sedução é planejada e executada, após a análise do seu alvo, apresentando-se rapidamente como uma alma gêmea.

O psicopata sabe simular que é carinhoso, alternando entre o carinho e a manipulação e levando o parceiro à submissão através de um padrão de recompensas, punições e ameaças.

A vítima faz concessões, cede e sacrifica-se convencida de que será algo passageiro, ou que deve ser algo da sua cabeça. Podem surgir algumas incongruências nas versões contadas pelo psicopata, mas fica-se na dúvida se terá sido mesmo assim.

Pessoas,

O perigo é real. Não estamos imaginando coisas…

Por vezes, demasiado depressa. E, nesse ritmo alucinante, podemos não ter tempo para cuidar das relações no trabalho e na vida pessoal. Vivemos em piloto automático, sem tempo para sentir, até que, um dia, começamos a perceber que algo não está bem conosco, que temos alguém que quer nos prejudicar, mas também podemos achar que estamos apenas imaginando coisas. Que será apenas cansaço ou uma mera casualidade.

Sem nos apercebermos, podemos estar vulneráveis, com uma sensação de baixo valor próprio, perda de vitalidade e imunidade física, culpa, incapacidade e incompetência. Este estado pode ser provocado pela presença de uma pessoa tóxica.

Características:

Eles colocam a pessoa num pedestal e depois fazem-na sentir a pior pessoa do mundo!

-Idealizam-na, fazem-na se sentir especial, única, atraente e a melhor, como se fosse o seu melhor amigo ou companheiro, muitas vezes, em público e, depois de conhecerem e preencherem os seus gostos, fraquezas e necessidades, desvalorizam-na e a fazem sentir em permanente falta. Como se a pessoa estivesse cada vez mais se tornando uma decepção para eles, e nada que essa pessoa faça para confirmar a impressão anterior, positiva, os deixa satisfeitos. Projetam na outra pessoa, características que são deles.

-Se são pouco pontuais, dizem que é você que não consegue ser pontual. Se não são éticos (e a maioria dos perfis tóxicos não o são, de fato), acusam a você de ser alguém que quebra a ética. Se não revelam emoções (alguns têm uma incapacidade a nível cerebral de o fazer, mas fingem as emoções só para conseguir dos outros o que pretendem), dizem que você é que é insensível. Logo, os sociopatas apresentam uma hipocrisia revoltante e desconcertante. Manipulam através da comparação subliminar

-Quando estão numa relação amorosa com alguém, falam várias vezes das coisas boas do ex-companheiro ou de uma pessoa nova que conheceram. Isso vai fazer com que você se sinta em competição com eles e dê o seu melhor para agradar ao seu companheiro ou colega. Muito rapidamente, sua segurança vai começar a depender da atenção e validação da pessoa tóxica.

-Negam com firmeza tudo aquilo que fazem de errado.

-Quando são confrontados com os seus comportamentos negativos, tendem a negar e a lançar a culpa nos outros, e o alvo privilegiado é quase sempre o companheiro ou a companheira. São incapazes de aprender com os próprios erros, e não mostram nenhuma intenção de melhorar de conduta. Normalmente, tais atitudes promovem uma exasperação das emoções das pessoas que com ele convivem, levando-o a acusar os outros de serem loucos, de estarem doentes. Ato contínuo, procura tirar a credibilidade do outro perante seus familiares e colegas. Só assumem responsabilidade quando percebem que estão encurralados, e o fazem sempre na perspectiva de tirarem alguma vantagem disso.

-Pulam de vítima em vítima.

-Os sociopatas vivem por impulso e têm grande dificuldade para estar parados e usufruir de lazer. Daí que saltem, muitas vezes, de vítima para vítima, quando a vítima já se encontra vulnerabilizada totalmente, quando ela se constitui um obstáculo difícil ou quando alguém os percebeu e lhes tirou a máscara. Tendem a sentir tédio e, para eles, a vida é um jogo com regras que eles próprios criam. Tendem a querer que os outros vivem segundo essas regras, ou seja, em linguagem popular, “que os outros dancem segundo a sua música”.

-Têm necessidade de controlar.

-Podem apresentar uma grande vigilância sobre tudo a seu redor, procurando obter o máximo de informação. Daí que as redes sociais e o mundo da Internet seja um local muito frequentado por este tipo de predador. Procuram ter informadores e seguidores – de preferência adoradores – que executam as suas ordens e lhes dão os dados de que precisam, e isto pode acontecer tanto a nível familiar como no trabalho. Tendem a fazer com que as pessoas trabalhem para eles. Este tipo de manipulação é de tal forma eficaz que pode contribuir para o aparecimento de psicopatas secundários, muito comuns em seitas religiosas e em organizações do mesmo tipo.

-Mentem frequentemente.

-Gostam de criar uma fachada brilhante à sua volta, que lhes permita perseguir, abusar e controlar. Mais em detalhe, muitos psicopatas mostram ao mundo que são esmerados pais e mães de família e que ajudam todos os que precisam. Existe um dado sinistro aqui. Os psicopatas homens tendem a evidenciar características de pais (proteção, poder, confiança e força) e as mulheres mostram características mais maternais, nomeadamente cuidado, preocupação, sustento e compreensão. Mas, por trás de tudo isso, fazem precisamente o oposto. E como as mentiras são tantas, podem criar as suas próprias dificuldades quando se enredam em todas elas.

-Não sentem empatia.

-Os sociopatas não conseguem vestir a pele das outras pessoas e sentir o que elas sentem. Na verdade, a sua capacidade emocional é extremamente reduzida e podem oscilar apenas entre estados ligados à zanga, inveja e vitimização. Nesta sequência, não medem meios para chegar aos seus fins e que são, na maior parte das vezes, poder financeiro, controle (poder) e visibilidade social e midiática.

Mais comportamentos dos sociopatas:

Os sociopatas nos confundem – Isto é, uma parte de nós começa a achar que essa pessoa nos faz mal, mas outra parte acha que ela não deve ser assim tão negativa e que poderemos exagerar na avaliação que fazemos. Isso acontece porque o seu comportamento não é totalmente mau. É bom e mau alternadamente, e muda conforme as pessoas e os contextos onde se encontram. Está aparente imprevisibilidade leva a vítima a procurar, obsessivamente, a razão desses comportamentos e, mais tarde, a tentar provar que o seu comportamento é que é o adequado. Algumas vezes, sem o conseguir e sem que as pessoas percebam o tipo de abuso que está sofrendo, aumentando a sua sensação de desamparo e solidão.

Fazem-se de vítimas – Os sociopatas criam boatos, intrigas, conflitos e agridem quem lhes faz frente ou quem tem princípios morais e humanos. Logo a seguir, adotam uma postura de fragilidade que ativa automaticamente a nossa humanidade e que nos faz ter pena. Logo que recuperam o controle, voltam a atacar sem misericórdia.

Adoram provocar emoções nos outros – É disso que vivem, das emoções que eles não são capazes de sentir e é assim que controlam as pessoas que os rodeiam. Se o contato for frequente, ficamos esgotados, vazios e deixamos de sentir prazer pelas coisas boas da vida. Em casos de maior gravidade, podemos até pôr em causa a nossa própria existência.

Alternar afeto com agressão -É um dos comportamentos típicos dos psicopatas socializados. A agressão é verbal mas pode chegar a ser física. A pessoa tóxica faz o outro sentir-se mal mas age como se fosse, ao mesmo tempo, a solução.

Como agir perante um psicopata -Infelizmente, há muito pouco a fazer. Como, até agora, considera-se a sociopatia um distúrbio intratável, a melhor forma de agir é prosseguirmos o nosso caminho, nos aceitarmos incondicionalmente, usufruirmos da vida, dos amigos, familiares e colegas e não olhar para trás. O bem-estar também resulta de abrirmos mão do que não podemos mudar. E de quem não muda. Se você é vítima de um sociopata e não conseguir lidar com o problema sozinho, peça ajuda, não tenha medo.

A autoestima é a maior falha dos psicopatas em qualquer situação em que se envolvam. Ou seja, os mesmos são vaidosos, se privando de inseguranças e se achando o ápice da evolução social. Por isso que quase todos gostam de falar facilmente de si mesmos.

Assim, experimente fazer elogios a ele como forma de fazê-lo cair no próprio veneno. Faça com que seu ego infle e que ele pense que você o admira demais. Assim, com a segurança excessiva ele vai acabar por falar mais do que deve e se entregar, perdendo o controle da situação.

Vamos avaliar melhor com que nos relacionamos, nas redes sociais em todo lugar, principalmente quem deixamos entrar em nossas vidas! Na era do imediatismo devemos pecar por excesso…