Velozes e Indignadas

Divulgação

Nossas vidas são corridas diariamente. Imagina para quem corre aos finais de semana e ainda precisa sobreviver aos transtornos de alguns cidadãos que não entendem que as corridas de rua representam muito mais do que paixão, lazer, prazer e movimentar o corpo. De acordo com a pesquisa “Muito além do futebol – Estudo sobre esportes no Brasil” realizada pela Deloitte em 2011, a corrida é o segundo esporte mais praticado no país após o futebol. 

.

Advogada Luana Lisboa Borges

Essa mulherada multiprofissional que o diga. A advogada Luana Lisboa Borges disse que corre desde 2017. “Fui influenciada por uma amiga que já corria, e a qual sou muito grata pela insistência. Ela me mostrou um prazer que não sabia que poderia existir,” conta. Ela luta contra os contratempos, o valor das inscrições e se considera uma vencedora. “As inscrições são bem caras comparando com o salário mínimo vigente e luto contra o cansaço de acordar cedo em um domingo quando poderia estar dormindo. Vou pelo prazer que a atividade física proporciona e a socialização que nos dão,” explica a advogada.

Diante disso ela já influenciou o marido, um casal de amigos e ressalta que espalha quando pode o prazer em correr. Mas o caminho não têm somente flores. “É constante as agressões de motoristas, passageiros de ônibus coletivos dizendo que ‘atrapalhamos’ o trânsito, por sermos ‘à toa’ por estarmos correndo. Os próprios agentes da SMT que estão trabalhando nas corridas sofrem agressão verbal,” disse inconformada com a situação vivida. Luana relata que alguns dias atrás correu com a filha Maria Antônia de 6 anos, e ela ficou assustada com a falta de respeito.

“Chegamos em cruzamentos, mesmo os sinalizados e fechados temporariamente, tivemos que parar e olhar para os lados para ver se ninguém estava furando o bloqueio. Meu alerta vai tanto para os organizadores sinalizarem melhor e com antecedência as vias que serão bloqueadas para quem passa ali constantemente e tenham ciência disso, quanto para a população para que tenha um pouco mais de respeito,” destaca. De acordo com ela, são minutos de via bloqueada e mesmo com uma cidade com tantas obras para que as pessoas não se estressem. “São finais de semana, em horários não comerciais, fluxo pequeno e as pessoas agridem verbalmente, aceleram os veículos ameaçando nos atropelar simplesmente porque estamos praticando atividade física em uma via sinalizada,” relata. Luana ainda disse que  queria ver toda essa revolta nos casos de corrupção política, as pessoas lutando por melhorias na saúde, educação e segurança pública.

Consultora de imóveis, Eliene Abdon Souza Barros

A história da consultora de imóveis, Eliene Abdon Souza Barros não é diferente de Luana. Ela conta que a corrida entrou em sua vida como uma brincadeira entre amigas. “Fui convidada para correr como companhia e tomei gosto. Hoje corro pelos vários efeitos positivos que a corrida proporciona como manter o peso, controle da ansiedade e depressão,” afirma. Correndo há 1 ano e 6 meses ela já presenciou aperto nas buzinas e xingamentos. “Acho desrespeitoso e uma tremenda falta de educação,” observa.

Eliene ressalta que é vencedora em todas as corridas em que se propõe participar e consegue chegar até o final. “Não corro por competição,” disse. A supervisora administrativa, Flávia Suares foi em uma corrida como voluntária, gostou da ideia e resolveu correr. Sua história com a corrida este ano completa 7 anos. “Só ganho medalha de participação porque corro por lazer. Minha próxima corrida será em março,” conta.

Supervisora administrativa Flávia Suares

Flávia ainda não vivenciou a indignação das outras atletas acima, mas disse que acha uma falta de respeito quem faz isso. O alerta que faz é realizar exames para saber se pode exercer o esporte, fazer alongamento antes e depois. “E ter cuidado para não viciar em correr,” disse sorrindo. Em uma das fotografias enviadas, a supervisora estava grávida de cinco meses e nem por isso perdeu o pique.

Próximas corridas: 

  1. 15 de fevereiro – Corridas Unimed – Etapa Dia de Saúde
  2. 21 de março – II Corrida do Comando de Policiamento Ambiental
  3. 05 de abril – Circuito das Estações 2020 – Outono – Goiânia
  4. 21 de abril – III Treinão Premiado Atletas de Jesus
  5. 30 de maio – Desafio No Limite – 1ª Etapa
  6. 26 de julho – Circuito das Estações 2020 – Inverno – Goiânia
  7. 09 de agosto – Santander Track&Field Run Series – Goiânia – Setor Marista
  8. 29 de agosto –  Desafio No Limite – 2ª Etapa
  9. 30 de agosto – 9ª Maratona de Goiânia em Movimento e 12ª Meia Maratona em Movimento
  10. 27 de setembro – Circuito das Estações 2020 – Primavera – Goiânia
  11. 20 de dezembro –  Circuito das Estações 2020 – Verão – Goiânia

(Fonte: Corridas em Goiás)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here